Angola: Raio X no Bengo só para quem tem telemóvel | Angola | DW | 15.07.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Angola: Raio X no Bengo só para quem tem telemóvel

Quem precisa de um raio X no Hospital Provincial do Bengo tem de levar o seu telemóvel, porque a unidade não dispõe de material adequado. Muitos pacientes não têm acesso a um telemóvel e a insatisfação sobe.

A direção do hospital no Bengo diz que não tem como resolver a situação que já dura há, pelo menos, cinco anos. A diretora da unidade, Teresa Candeeiro, diz que a sua equipa herdou este passivo. Afirma ainda que tem procurado resolver o problema.

"Já nos preocupámos em procurar uma nova impressora, já procurámos informar-nos junto da empresa que montou o equipamento. Mas, até agora, não tivemos uma resposta positiva", disse Candeeiro à DW África, acrescentando que o equipamento está incompleto: "A parte que falta é a impressora e as películas. Parece que o país não tem disponível. Então temos de esperar", diz, resignada.

A responsável esclarece que, nos casos em que o paciente não se faz acompanhar de telemóvel digital, o médico observa o resultado a partir do computador. "O médico pode avaliar a lesão diretamente no aparelho, ou então, pode tirar a fotografia com o seu telemóvel".

Raio X só em Luanda

Mas para Nelson Bernardo, a situação é insustentável. Bernardo teve de deslocar-se à capital, Luanda, a cerca de 70 quilómetros de distância, para resolver um problema de saúde da filha.

Angola | Nelson Bernardo

Nelson Bernardo teve que levar a fiilha a um hospital em Luanda

"Uma das crianças tinha tosse convulsa. Fomos para o Hospital Geral do Bengo, mas, infelizmente, não fomos atendidos porque não tivemos os meios necessários para obtenção da chapa de raio X", disse Bernardo à DW África, apelando ao hospital para que resolva rapidamente o assunto, de modo a poder "responder à demanda dos problemas que surgem no Bengo".

Sebastião Marques, outro utente do hospital provincial do Bengo lamenta: "Nem todo mundo tem a possibilidade de ter um telefone digital. Muita gente aqui vive em aldeias, outros só têm telefone para comunicação, de botão. Mas se o governo diz que para fazer raio X tem de ter digital, isso não está certo".

 

Leia mais