Angola: Casos de malária aumentam no interior do Bengo | Angola | DW | 24.01.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Angola: Casos de malária aumentam no interior do Bengo

Um surto de malária causou a morte de quase 30 crianças nas últimas semanas numa pequena localidade do município de Nambuangongo, Angola. Autoridades locais dizem que têm um plano para lidar com alto número de infeções.

Angola Bengo

Município de Nambuangongo, Angola.

Em Angola, no município de Nambuangongo, a cerca de 300 quilómetros de Luanda, lida com a morte de várias crianças com sintomas de malária. Nas últimas semanas, dos 500 casos de malária em crianças e adultos registados pelas autoridades sanitárias locais, acabaram morrendo 27 menores. Moradores e missionários exigem uma solução rápida.  

Os pacientes são acometidos de febre alta e alguns não resistem à doença. José Manuel, morador da localidade do Gombe lamenta pelo momento por que a sua localidade está a passar. 

Crianças estão a morrer

"As crianças aqui estão a ter febre e depois morrem. Vão ao hospital na segunda-feira, voltam para a casa na quarta e na quinta-feira acabam por falecer com febre alta".

A malária é a principal causa de morte no Nambuangongo. O médico destacado naquela área, António Muginga, pede aos pais que levem as crianças às unidades sanitárias. A malária é a principal causa de morte no Nambuangongo.

Symbolbild Malaria

A malária é a principal causa de morte no Nambuangongo. Na imagem, o mosquito transmissor da doença.

"Independentemente de ter dinheiro ou não, quando estão doentes, levem as crianças ao hospital. Muitas vezes, nós os profissionais da saúde e outras entidades da comuna, tendo alguma coisa, nós tiramos o que temos ou orientamos: "Faça isso, faça aquilo”.

O missionário católico Padre Etiene Nguessan pede resposta urgente para se resolver a situação.

Restaurar centros médicos

"Seria bom se as autoridades pensassem nisso: encontrar uma soluçãoe restaurar os centros médicos. A população está a sofrer muito, está a enterrar muitas crianças. É triste!"

Malawi 2015 | Überschwemmungen - Malaria-Test

As autoridades locais avançam que a malária, a anemia severa e a chegada tardia dos pacientes nas unidades sanitárias estão na base destes casos de mortes. Na imagem, um paciente faz teste de malária (foto de arquivo).

As autoridades locais avançam que a malária, a anemia severa e a chegada tardia dos pacientes nas unidades sanitárias estão na base destes casos de mortes. A informação foi avançada pelo administrador municipal interino de Nambuangongo. Gilson Cruz faz saber que está já em curso um plano de contingência.

"Intensificar consultas integradas com os médicos ou com profissionais de saúde, intensificar a vacinação de rotina, realizar campanhas de fumigação ao nível daquela localidade. E não só, pretendemos realizar palestras com a população, bem como a sensibilização das famílias.”

Em 2014, altura do último censo populacional, Nambuangongo tinha 61.024 habitantes e atualmente conta com 12 médicos. Estima-se que haja um médico para quase 5.100 habitantes.

Assistir ao vídeo 02:43

Angola: Combate à malária ignorado devido à Covid-19