Talibãs comprometem-se em proteger os interesses da China | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 03.09.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Talibãs comprometem-se em proteger os interesses da China

Em conversa com representante talibãs, integrantes do Governo chinês saúdam Afeganistão com "o seu próprio destino nas mãos". Grupo islâmico garante que está disposto a "desenvolver relações amigáveis com a China".

Katar | Friedenskonferenz Afghanistan

Imagem de Talibãs na Conferência de Paz para o Afeganistão em 2019

O vice-diretor do gabinete político dos Talibãs no Catar, Abdul Salam Hanafi, disse esta sexta-feira (03.09) que o seu grupo "nunca permitirá que ninguém use o Afeganistão para ameaçar os interesses da China", segundo um comunicado do Governo chinês.

Durante uma conversa telefónica com o vice-ministro chinês dos Negócios Estrangeiros, Wu Jianghao, Hanafi garantiu que o grupo islâmico está disposto a "continuar a desenvolver relações amigáveis com a China", apontou a mesma nota.

Wu disse a Hanafi que a China "sempre respeitou a soberania e a independência" do Afeganistão, onde o povo "tem agora o seu próprio destino nas mãos".

Afghanistan Chinas Außenminister Wang Yi führt Gespräche mit Taliban-Führung

Ministro Wang Yi com representante afegão durante encontro em agosto

"País amigo"

Além de garantir a segurança dos cidadãos e instituições chinesas no país da Ásia Central, Hanafi descreveu a China como "um país amigo em quem o Afeganistão pode confiar".

No final de julho, antes da tomada de Cabul pelos Talibã, uma delegação de representantes do grupo reuniu-se na China com o ministro dos Negócios Estrangeiros chinês, Wang Yi, que descreveu os Talibãs como uma "força militar e política crucial" no Afeganistão.

Após a retirada das tropas norte-americanas, as autoridades chinesas expressaram a sua esperança de que os Talibãs formem um governo "islâmico, mas aberto e inclusivo" e "desempenhem um papel construtivo" no país.

Pequim descreveu a saída das tropas dos Estados Unidos como um "novo ponto de partida" para o Afeganistão. China e Afeganistão compartilham cerca de 60 quilómetros de fronteira na região noroeste da China de Xinjiang, uma das mais voláteis do país asiático, marcada por violentos confrontos étnicos, nas últimas décadas, entre membros da minoria étnica de origem muçulmana uigur e os han, o grupo étnico maioritário na China. 

Assistir ao vídeo 04:52

Vitória dos talibãs no Afeganistão pode influenciar no terrorismo em Cabo Delgado?

Leia mais