Situação dos doentes angolanos com junta médica em Portugal degradou-se | NOTÍCIAS | DW | 13.09.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Situação dos doentes angolanos com junta médica em Portugal degradou-se

O Presidente João Lourenço prometeu melhorar as condições dos doentes angolanos com junta médica em Portugal. Mas de novembro até hoje nada melhorou, pelo contrário, a situação degradou-se.

Konsulat von Angola in Lissabon (DW/J. Carlos)

Consulado Geral de Angola em Lisboa

Dez meses depois da visita oficial do Presidente angolano João Lourenço, as condições de habitabilidade e a qualidade da alimentação nas pensões que acolhem os pacientes não melhoraram.

Há mais doentes a chegarem a Lisboa, mas também há casos de pessoas desalojadas por falta de pagamento, em consequência dos atrasos nas transferências de dinheiro de Angola para Portugal. O setor da saúde da Embaixada de Angola reuniu-se esta semana com a associação que representa os doentes para mais uma tentativa em busca de soluções.

Portugal Joao Lourenco angolanischer Präsident (DW/J. Carlos)

O Presidente de Angola João Lourenço visitou Portugal em novembro de 2018

Condições precárias

Um dos doentes é José Maria Paixão Fonseca, 62 anos, tenente coronel das Forças Armadas, que vive numa das quatro pensões em Lisboa que albergam angolanos que têm recebido cuidados médicos.

"Sim, sim, as coisas estão cada vez mais a piorar. A questão da alimentação, que é primordial, nunca foi boa. Aqui, por exemplo, não tenho alimentação. Eu devia pagar a minha alimentação por mim mesmo. Coisa que eu não posso fazer porque os senhores do Banco de Poupança e Crédito (BPC) em Luanda trancaram a minha conta. Então, não consigo fazer transferência porque não tenho como tirar o dinheiro da conta”, relatou Paixão Fonseca.

Há seis anos em Portugal, este paciente angolano que faz hemodialise, também lamenta o tratamento inadequado que os doentes recebem do setor da saúde da Embaixada de Angola, sob a responsabilidade de Rosa de Almeida.

"Há uma coisa que eu não entendo. Como é que a senhora chefe do setor, para além de nós não sabermos quanto é que ela recebe aqui, vem pagar estes hotéis muito caros onde a vida praticamente é uma desgraça; é uma miséria estas pensões, não têm ar condicionado conforme pode ver. E dizem que nós não podemos reivindicar porque as nossas casas em Angola não têm ar condicionado. Não posso reclamar uma boa sopa porque a sopa que se dá aqui é melhor que a sopa que eu teria na minha casa?”, reclamou José Maria Paixão Fonseca.

Portugal | Beschwerden angolanischer Patienten | Paixao da Fonse (DW/J. Carlos)

José Maria Paixão Fonseca defende os doentes

Má alimentação

A estas interrogações e inquietações juntam-se outras sobre a qualidade da alimentação, que, segundo os doentes, é péssima. Há casos de doentes que sofrem intimidação da Embaixada por exporem a situação à imprensa, soube a DW África de fonte segura. A nossa fonte fala igualmente de doentes que estão a ser despejados das casas arrendadas.

"Porque o tempo que levam sem pagar começa a ser preocupante para os proprietários. Os proprietários não aceitam e os doentes são obrigados a procurar espaços mais pequenos, um quarto ou uma garagem, para poderem sobreviver”, explicou o tenente coronel das Forças Armadas.

Gabriel Chimuco, presidente da Associação de Apoio aos Doentes Angolanos em Portugal foi quem expôs a situação dos pacientes ao Presidente João Lourenço, quando este visitou Portugal em novembro de 2018. Confirma que de lá até então, não houve melhorias e a situação degradou-se.

Ouvir o áudio 03:34

Situação dos doentes angolanos com junta médica em Portugal degradou-se

"As condições não são boas. O que aflige neste momento a comunidade de doentes em Portugal é que vai fazer agora cinco meses que os doentes não recebem os seus subsídios de alimentação e de alojamento. E isto está a trazer um grande constrangimento aos doentes”, expôs Chimoco.

Dificuldades com as transferências

Na última terça-feira (10.09.), a associação esteve reunida no Consulado da Embaixada de Angola, com a chefe do setor de Saúde da Junta Nacional de Saúde em Portugal, Rosa de Almeida, para expôr as preocupações dos doentes. Contatada pela DW África, a responsável disse que não está autorizada a prestar declarações aos jornalistas e que iria reunir-se esta quinta-feira (12.09.) com o embaixador de Angola em Lisboa para analisar o caso.

Entretanto, no encontro desta terça-feira (12.09.) com a associação encabeçada por Gabriel Chimuco foi dito que o problema está na dificuldade do Governo angolano em transferir dinheiro para Portugal.

"O próprio setor tem estado a fazer demarche junto ao presidente da Junta Nacional, Augusto Lourenço, e junto à ministra da Saúde, Sílvia Lutucuta que, até o momento, não tem dado resposta ao que se está a passar aqui em Lisboa, porque há um atraso de pagamentos não só dos subsídios como das pensões onde estão alojados os doentes” afirmou Gabriel Chimuco.

Portugal | Beschwerden angolanischer Patienten | Bed & Breakfast Alvalade
(DW/J. Carlos)

Uma das pensões em Lisboa

Acontece que, face a isso, o proprietário da pensão, onde está a maior parte dos doentes evacuados, cortou a última refeição do dia. "Neste momento, os doentes têm apenas uma sopa muito mal confecionada como jantar”, nota Gabriel Chimuco. A situação é preocupante para doentes com patologias crónicas complexas e gravosas, doentes de foro oncológico, para insuficientes renais crónicos e transplantados, que fazem uma medicação "muito pesada” e que precisam de ter uma dieta regular e adequada.

Plano para novo espaço

Chimuco lembra a proposta já apresentada ao Executivo angolano para a aquisição ou construção de um edifício "com um espaço maior” para alojamento dos doentes evacuados de Angola.

"A demanda é cada vez maior. Todos os dias chegam doentes a Lisboa e não há sítios para colocar estes doentes, que subiu de 400 para os 600”, disse, considerando a situação insustentável.

Para o dirigente da associação, "não faz sentido” o Estado estar a pagar a estadia de doentes de longa duração em pensões que custam cerca de 2300 euros mensais. "Este doente custaria menos de 50 por cento se estivesse alojado numa casa arrenda", exemplifica.

"Provavelmente o Presidente da República não terá compreendido o fundo da questão”, recordou Chimuco, salientando que há cada vez mais doentes a virem para Portugal porque é crítico o setor da saúde em Angola, onde não existem condições técnicas e medicamentos para serem devidamente tratados.

Se as promessas não forem cumpridas, os doentes ameaçam sair à rua, em Lisboa, em forma de protesto, de acordo com o teor de uma Carta Aberta endereçada à ministra da Saúde.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados