Resposta aos ataques em Cabo Delgado ″passa por políticas públicas″, defende investigador | Moçambique | DW | 27.08.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Resposta aos ataques em Cabo Delgado "passa por políticas públicas", defende investigador

O primeiro livro moçambicano sobre o terrorismo no país é lançado esta quinta-feira (27.08) e sugere que a resposta ao fenómeno em Cabo Delgado passa por políticas públicas com o objetivo de diminuir a marginalização.

"Terrorismo em África" é o primeiro livro moçambicano que aborda o terrorismo em Moçambique. De autoria do docente e investigador Rufino Sitoe, a obra é lançada esta quinta-feira (27.08) em Maputo e pretende contribuir para o entendimento do que está a acontecer em Cabo Delgado desde finais de 2017 -  quando ataques têm sido perpetrados por grupos armados, deixando 1.060 mortos e afetando 250 mil pessoas, segundo as Nações Unidas. 

O especialista em resolução de conflitos e políticas públicas defende no livro que a resposta a este fenómeno "incipiente” de terrorismo no norte do país passa precisamente pela formulação de políticas públicas. Rufino Sitoe entende que a descoberta do gás em Cabo Delgado pode contribuir para o aumento das desigualdades e do sentimento de exclusão nos distritos, um fator que é facilmente instrumentalizado por parte dos grupos terroristas e que tem de ser combatido rapidamente.

O novo livro salienta ainda que o terrorismo islâmico não pode ser analisado como um fenómeno localizado em Cabo Delgado, mas sim como um problema mais abrangente - que se estende do Médio Oriente a África. Rufino Sitoe alerta ainda que é necessário agir antes que o terrorismo se alastre para a província de Nampula.

DW África: A situação no norte de Moçambique foi o rastilho para abordar o terrorismo no continente africano?

Rufino Sitoe (RS): Sem dúvida. Foi o fenómeno que despertou a necessidade de escrever este livro, por várias razões. A principal é que quando a coisa surgiu havia muito pouco conhecimento sobre o que é efetivamente terrorismo. Ainda existe um bocado essa falta de conhecimento. E é tanto do lado das Forças de Defesa e Segurança quanto do lado da Academia também, que muito do tratamento que dava puxava de fundamentos nas teorias gerais das ciências sociais, quando o terrorismo é uma ciência específica que tem de se guiar pelos seus próprios fundamentos.

E com a coisa de Cabo Delgado surgiu esta necessidade de aprofundar e trazer o debate para a sociedade com esta fundamentação teórica e científica e de esclarecimento de aspetos básicos para se entender o terrorismo islâmico.

Mosambik Flüchtlinge vor Angriffen in Cabo Delgado in Metuge untergebracht (DW/D. Anacleto )

Conflito tem deslocado pessoas pelo norte de Moçambique

DW África: O que o levou a alargar esta situação a outros países do continente?

RS: Primeiro porque não se pode ver o terrorismo como um fenómeno localizado ao nível da província de Cabo Delgado. É um fenómeno muito mais genérico com raízes fora de Moçambique. Tem raízes no Médio Oriente e depois expandiu-se para África. Começou pela África do norte e depois foi para a Nigéria e Somália. Compreender as manifestações [do terrorismo islâmico] nesses estados é muito importante para poder compreender a manifestação do fenómeno cá em Moçambique. E isso também melhora a capacidade de resposta das Forças de Defesa e Segurança e dos vários setores da sociedade que estão envolvidos nas medidas de prevenção e combate ao fenómeno.  

DW África: As informações que chegam são muitas vezes vindas de testemunhas no terreno ou da imprensa nacional e também estrangeira. Em que medida essas fontes terão contribuído para a sistematização ou para a realização do seu trabalho?

RS: Sem dúvida que foram uma fonte muito importante. Primeiro para identificar as linhas básicas da manifestação da violência porque o terrorismo islâmico tem a sua forma de ser e de se apresentar. E essas fontes de informação foram muito importantes para começar a fazer este mapeamento porque, primeiro, o debate era se efetivamente se tratava de terroristas ou não.

DW África: Esta é uma guerra que ainda vai a meio. Há, portanto, ainda muito a se dizer em relação a ela. Qual foi a abordagem do seu livro sobre este confronto na medida em que é um processo contínuo?

RS: Primeiro, este livro surge depois de um artigo que eu publiquei falando especialmente para as políticas públicas como algumas das estratégias de prevenção e combate. E no combate não falo só da dimensão militar, falo também do combate de contra estratégias de mobilização destes grupos. É um fenómeno que está a acontecer e que está numa fase incipiente em Moçambique. Mas há algumas coisas que já devem ser feitas de modo a evitar que o fenómeno cresça e se expanda para outras províncias. A província mais provável é Nampula pela questão religiosa e geográfica.

Eu penso que o principal contributo deste livro é o tipo de medidas que devem ser olhadas como modalidade de resposta a este fenómeno nesta fase incipiente. Falo particularmente das políticas públicas, olhando também para o facto de que Cabo Delgado é uma província que tem estado a sofrer muitas transformações nos últimos tempos por causa da descoberta do gás. Portanto, a probabilidade de aumentar-se os níveis de desigualdade e que cresçam os sentimentos de exclusão e de marginalização – que já existem - é muito maior. Isto é um factor fácil de instrumentalização por parte dos grupos terroristas. Portanto, se nós queremos olhar para este fenómeno e evitar que este fenómeno cresça e que estes grupos conquistem algum nível de legitimidade ao nível da província de Cabo Delgado nós precisamos falar seriamente de políticas públicas.

Assistir ao vídeo 01:50

Bispo de Pemba: "Papa mostrou proximidade com povo de Cabo Delgado"

Leia mais