RENAMO denuncia irregularidades no recenseamento eleitoral em Inhambane | NOTÍCIAS | DW | 26.04.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

RENAMO denuncia irregularidades no recenseamento eleitoral em Inhambane

Segundo o maior partido da oposição moçambicana, os eleitores não estão a conseguir obter o cartão para votar em Inhambane. STAE reconhece problemas logísticos.

Sede distrital da RENAMO em Maxixe

Sede distrital da RENAMO em Maxixe

Desde o início do recenseamento eleitoral em Moçambique, a 15 de abril, têm sido observadas várias irregularidades nos postos de recenseamento da província de Inhambane, no sul de Moçambique, denuncia a Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO).

Segundo Lurdes Eugénio, porta-voz provincial do maior partido da oposição, os computadores portáteis ficam frequentemente sem carga, há falta de inversores para os painéis solares e impressoras avariadas. Resultado: muitos cidadãos não conseguem obter o cartão de eleitor, incluindo os apoiantes da RENAMO.

"[O recenseamento] não está a decorrer de forma correta, porque em todos os postos ao nível da província há problemas com os mobiles, inversores e painéis solares. A carga acaba e os eleitores regressam a casa. Se os mobiles continuarem assim, não havemos de atingir aquilo que nós queremos", considera.

Ouvir o áudio 02:53

RENAMO denuncia irregularidades no recenseamento eleitoral

Problemas na supervisão

A porta-voz da RENAMO em Inhambane dá ainda conta de outro problema no processo: há um mandatário do maior partido da oposição na Comissão Distrital de Eleições de Maxixe que ainda não tem credencial e isso está a impossibilitar que supervisione o recenseamento.

"O mandatário foi à Comissão Distrital de Eleições para ter a credencial, mas até hoje foi dito que ainda não tem o formulário. Isso veda também os nossos trabalhos, porque neste momento o mandatário podia fazer a supervisão, mas não está credenciado", explica Lurdes Eugénio.

Em entrevista à DW África, Agostinho Roberto Buque, porta-voz do Secretariado Técnico da Administração Eleitoral (STAE) em Inhambane, responde que, tanto quanto sabe, todos os partidos com representação parlamentar estão representados nas comissões distritais, como manda a lei - incluindo a RENAMO.

No entanto, o porta-voz do STAE reconhece os problemas logísticos verificados nos postos de recenseamento, admitindo dificuldades com "algum material", como a falta de inversores para os páineis, mas frisa que "isso não paralisa o trabalho de recenseamento".

Segundo Agostinho Roberto Bueque, estes problemas justificam a fraca afluência de pessoas: "Na avaliação de 15 a 20 [de abril], os resultados que temos aqui não são muito satisfatórios".

O recenseamento eleitoral em Moçambique termina a 30 de maio. As eleições gerais estão marcadas para 15 de outubro.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados