PRM confirma envolvimento de agentes da polícia no assassinato de Anastácio Matavel | Moçambique | DW | 08.10.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

PRM confirma envolvimento de agentes da polícia no assassinato de Anastácio Matavel

Quatro agentes das forças especiais da Polícia estariam envolvidos no assassinato do diretor-executivo do Fórum das Organizações Não Governamentais em Gaza e coordenador da Sala da Paz. Organizações apelam por justiça.

Mosambik Dialogplattform Sala da Paz (DW/L. Matias)

Foto de arquivo: Conferência de imprensa da Sala da Paz

O Comando Geral da Polícia confirmou, esta terça-feira (08.10), que quatro dos cinco principais suspeitos de envolvimento no assassinato de Anastácio Matavel são agentes da polícia afetos à Subunidade de Intervenção Rápida em Gaza, em serviço no Grupo de Operações Especiais (GOE) naquela província.

Em conferencia de imprensa, o porta-voz do Comando Geral da Polícia, Orlando Mudumane, informou que os quatro agentes e um civil indiciados de envolvimento no crime estão "todos devidamente identificados nos autos".

Orlando Mudumane (Privat)

Orlando Mudumane

Orlando Mudumane disse que a corporação "repudia e condena de forma veemente a conduta criminosa daqueles agentes".

"O comandante-geral da Polícia, Bernardino Rafael, ordenou a suspensão do superintendente da polícia, Alfredo Naifane Macauacua, das funções de comandante da Subunidade de Intervenção Rápida de Gaza e de Tudelo Macauze Mechicho Girrugo, das funções de comandante da Companhia do Grupo de Operações Especiais da província de Gaza," revelou.

Orlando Mudumane disse ainda que o comandante geral da Polícia ordenou, igualmente, a criação de uma comissão de inquérito que "tem o prazo de 15 dias para apresentar um relatório pormenorizado sobre o facto, reiterando tudo fazer para o apuramento do móbil e toda a verdade material inerente àquele crime macabro".

Mosambik Krankenhaus (DW/C. Matsinhe)

Matavel chegou a ser levado para o hospital, mas não resistiu aos ferimentos

Assassinado a tiros

Anastácio Matavel foi alvejado a tiro, na segunda-feira (07.10) quando os atacantes seguiram a sua viatura à saída de uma cerimónia de abertura de uma ação de formação no âmbito dos preparativos para a observação eleitoral independente do escrutínio de 15 de outubro próximo. Dois suspeitos foram detidos.

A Sala da Paz, uma plataforma de observação eleitoral conjunta, da qual a vítima fazia parte como ponto focal, quer ver o caso esclarecido rapidamente.

"Queremos pedir e apelar à consciência de todos os moçambicanos, sobretudo às entidades que estão ligadas ao processo de investigação criminal, para poder o mais breve possível explicar as razões profundas que estão por detrás deste ato macabro," declarou Albino Massuei, porta-voz da ONG.

EU Symbolbild Bürokratie (picture-alliance/dpa/I. Kjer)

Sede da Comissão Europeia, em Bruxelas

Apelos por justiça

Ainda em Maputo, a Missão de Observação Eleitoral da União Europeia condenou o assassinato sublinhando que "a observação nacional é uma componente fundamental de um processo eleitoral credível".

Ouvir o áudio 02:30

PRM confirma envolvimento de agentes da polícia no assassinato de Anastácio Matavel

"Qualquer ato que afete ou limite a capacidade dos observadores nacionais em desempenhar o seu papel essencial é um obstáculo inaceitável à transparência das eleições e ao respeito pela participação dos cidadãos", refere em comunicado a MOE da União Europeia.

Já a organização não governamental moçambicana Centro de Integridade Pública (CIP) não só condena o assassinato, como exige um pronunciamento público do candidato da Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO) e Presidente da República, Filipe Nyusi.

Por seu turno, o Centro de Aprendizagem e Capacitação da Sociedade Civil considera "inconcebível que situações desta natureza estejam a acontecer sob o olhar impávido de quem tem o dever de zelar pela segurança dos cidadãos, permitindo que os crimes aconteçam de forma constante e os autores permaneçam impunes".

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados