Oposição moçambicana critica Orçamento do Estado aprovado no Parlamento | Moçambique | DW | 16.04.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Oposição moçambicana critica Orçamento do Estado aprovado no Parlamento

Parlamento moçambicano aprovou Plano Económico e Social e Orçamento Geral do Estado para 2020 com os votos da FRELIMO. Oposição teme aumento da pobreza e critica "insensibilidade" do Governo em relação a Cabo Delgado.

O Parlamento moçambicano aprovou esta quinta-feira (15.04) o Plano Económico e Social (PES) e o Orçamento do Estado (OE) para 2020, num ano atípico resultante do impacto do novo coronavírus, que já levou o país, atualmente com 31 infeções registadas, a declarar o estado de emergência.

A Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO) votou a favor e a oposição contra, argumentando que os dois documentos não são realistas.

Mosambik Maputo Premierminister Carlos Agostinho do Rosário

Primeiro-ministro moçambicano, Carlos Agostinho do Rosário

O Orçamento revê em baixa a previsão de crescimento económico, de 4 para 2,2%. Segundo o primeiro-ministro Carlos Agostinho do Rosário, "a receita fiscal irá registar uma redução em cerca de 26,3 mil milhões de meticais [cerca de 370 milhões de euros] num contexto em que enfrentamos múltiplos desafios que exigem mais recursos".

As receitas do Estado deverão atingir cerca de 235,5 mil milhões de meticais (o equivalente a 3,2 mil milhões de euros) e as despesas cerca de 345,3 mil milhões de meticais (4,8 mil milhões de euros). A taxa de inflação deverá manter-se nos 6,6%.

Alerta para possíveis "apetites"

Na segunda-feira, o Fundo Monetário Internacional (FMI) aprovou um perdão de seis meses do serviço da dívida de Moçambique à organização. De acordo com o ministro da Economia e Finanças, Adriano Maleiane, trata-se de 15 milhões de dólares (13,7 milhões de euros) que serão investidos no "esforço da saúde" conta a pandemia da Covid-19.

Maria Angelina Enoque, deputada da Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO), pediu que a dívida aliviada não sirva para "satisfazer os apetites de alguns dos nossos compatriotas".

Assistir ao vídeo 02:31

Coronavírus: Comerciantes moçambicanos preocupados

Aumento da pobreza?

Para a FRELIMO, o Plano Económico e Social e o Orçamento do Estado definem claramente as ações a realizar para a melhoria da condições de vida dos moçambicanos, são pragmáticos e englobam as várias sensibilidades.

"A proposta do PES-2020 foi construída tendo como objetivo central a adoção de uma economia mais diversificada e competitiva", afirmou a deputada Ana Rita Sithole.

Mosambik Wahlkampf RENAMO | Venancio Mondlane

Venâncio Mondlane, deputado da RENAMO

Já a RENAMO considera que as novas leis vão aumentar a pobreza e as assimetrias regionais. Para o deputado Venâncio Mondlane, é preocupante a redução do orçamento alocado ao setor da saúde e não só.

"As metas de 2020 estão todas elas rebatidas em baixa, e isto tudo vai comprometer o desenvolvimento, com destaque muito particular a três áreas que estão totalmente interligadas a essa questão da Covid-19, que são as áreas do saneamento, água e saúde", disse.

Cabo Delgado: Governo "insensível" a sofrimento do povo

A bancada do Movimento Democrático de Moçambique (MDM) acusa o Executivo de não prever no Plano Económico e Social recursos para o combate à Covid-19 e tratar de forma marginal os ataques armados na província de Cabo Delgado, no norte do país.

"Votamos contra para dizer basta a um Governo insensível", anunciou o deputado Elias Gilberto Impuire, chamando a atenção para o "do sofrimento do povo em Cabo Delgado, abandonado à sua sorte e entregue aos horrores da guerra, do saque e do banditismo".

Os 250 deputados decidiram contribuir com três dias de salário para o apoio a ações de combate ao novo coronavírus. Ainda com o mesmo objectivo, a bancada da FRELIMO anunciou uma doação num valor equivalente a cerca de 10 mil euros (cerca de 700 mil meticais).

Leia mais