OIM: Mais de 20.000 deslocados após ataque de março a Palma | Moçambique | DW | 16.04.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

OIM: Mais de 20.000 deslocados após ataque de março a Palma

O total de deslocados registados após o ataque armado a Palma, norte de Moçambique, subiu para 20.558, segundo a Organização Internacional das Migrações (OIM).

Estima-se que o total seja superior, por haver população que não chega a ser registada ou que ainda esteja escondida em locais remotos.

"Equipas [da OIM] nos distritos de Nangade, Mueda, Montepuez e Pemba continuam a registar um aumento significativo de chegadas de IDP [deslocados internos, na sigla em inglês] desde 27 de março", lê-se na mais recente atualização sobre a crise humanitária. 

Esta sexta-feira (16.04) foram identificados 637 deslocados nos quatro distritos "elevando o número total para 20.558 pessoas", detalhou a OIM.

As crianças representam 43% do total e há 272 que estão sozinhas, separadas das respetivas famílias durante a fuga.

As vítimas da violência, forçadas a abandonar as suas terras, continuam a chegar a  As vítimas da violência, forçadas a abandonar as suas terras, continuam a chegar a Nangade a pé, circulando depois parte deles de autocarro para Mueda, Montepuez e Pemba.

O corredor que parte de Palma em direção a oeste via Nangade e depois para sudoeste, para Mueda e Montepuez, continua a ser o principal eixo de fuga do distrito atacado em 24 de março em Cabo Delgado.

Ainda segundo a OIM, 75% dos deslocados vivem com famílias de acolhimento e há 664 idosos registados.

Assistir ao vídeo 01:44

Moçambique: traumas de guerra, sonhos de paz nos campos de deslocados

Apoio de Portugal

Portugal vai apoiar com 250 mil euros projetos de organizações não-governamentais para o desenvolvimento (ONGD) na província moçambicana de Cabo Delgado, ao abrigo do mecanismo de resposta rápida a emergências, foi hoje anunciado.

"Face ao agravar da situação na província de Cabo Delgado, em Moçambique, foi decidido ativar o Instrumento de Resposta Rápida (IRR) para Ações de Emergência, coordenado pelo Camões - Instituto da Cooperação e da Língua", adiantou este organismo em nota.

"Através do IRR serão disponibilizados 250 mil euros para financiar intervenções de ONGD em Cabo Delgado", acrescentou.

De acordo com o instituto Camões, a ativação do IRR soma-se a outros apoios que a cooperação portuguesa está a canalizar para esta província moçambicana, quer a nível bilateral, quer a nível multilateral através de diversas agências das Nações Unidas.

Assistir ao vídeo 02:10

A nova vida dos deslocados de Cabo Delgado na Zambézia

Leia mais