No Parlamento moçambicano Procuradora Geral deixa ″casos quentes″ de fora | Moçambique | DW | 07.05.2015

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

No Parlamento moçambicano Procuradora Geral deixa "casos quentes" de fora

Em Moçambique, a Procuradora Geral da República apelou à contenção nos pronunciamentos políticos, com vista a preservar a paz, segurança e harmonia social. Beatriz Buchili falava no Parlamento sobre o Estado da Justiça.

Parlamento moçambicano

Parlamento moçambicano

A Procuradora Geral da República (PGR), Beatriz Buchili, foi esta quarta e quinta-feira (04/05.05) ao Parlamento moçambicano apresentar o seu primeiro informe anual sobre o estado geral da justiça e responder às questões dos deputados.

Beatriz Buchili lançou um apelo "à contenção, de forma permitir a coexistência pacifica e o respeito pelas diferenças de opinião e diálogo permanente, sempre na perspetiva de preservar a paz, segurança e harmonia social”.

Um dos temas que dominou os debates tem a ver com a alegada passividade da Procuradoria da República em relação aos ilícitos eleitorais.

Para o deputado José Lopes, da RENAMO, o maior partido da oposição: "A PGR não se promunciou substantivamente em relação ao crime eleitoral, ao enchimento das urnas, aos votos pré-assinalados, aos boletins desaparecidos e as escaramuças provocadas pela polícia de intervenção rápida."

Mosambik Armando Guebuza

Ex-Presidente de Moçambique, Armando Guebuza

PGR e o caso ENI-Guebuza

A Procuradora da República disse que foram instaurados 499 processos sobre ilícitos na sequência das últimas eleições gerais, consideradas fraudulentas pela RENAMO.

Buchili negou, no entanto, acusações deste partido sobre a alegada existência de presos políticos relacionadas com as detenções efetuadas durante o processo eleitoral. Beatriz Buchili apelou à contenção e comentou que "em diversas intervenções foram levantadas questões que a nosso ver são substancialmente de índole política. Gostariamos de separar o político do jurídico, pois a nossa intervenção é meramente jurídica."

Beatriz Buchili reiterou que uma das prioridades da Procuradoria Geral da República é o combate à corrupção. Um dos pontos levantados pelo Movimento Democrático de Moçambique (MDM), relaciona-se com notícias postas a circular sobre um alegado caso de corrupção em que a procuradoria da Itália teria intercetado, através de escutas telefónicas, conversas entre o ex-Presidente moçambicano, Armando Guebuza, e um alto funcionário da empresa petrolífera italiana ENI.

Fernando Bismarque, do MDM, disse que o seu partido não está satisfeito com a resposta de Buchili: "A Procuradora apenas disse que vai começar agora a investigar para apurar a veracidade dos factos. Uma situação que ocorreu há dois meses só agora é que a Procuradoria vai entrar em contacto", sublinhou Bismarque.

Fish Fight Trawler

Cerca de 300 milhões de dólares foram gastos na compra de 30 barcos para a empresa EMATUM

Caso EMATUM e as estatísticas da PGR

A Procuradora disse que a sua instituição está a investigar ainda noticias indicando que a empresa moçambicana de atum, EMATUM, em que o Estado teve de se endividar para a sua criação num processo aparentemente não transparente, tem sede na Holanda.

Falando sobre a criminalidade no país, Beatriz Buchili revelou que o número de casos registados em 2014 aumentou em 10% comparativamente a igual período do ano anterior. Disse que houve igualmente uma subida no número de casos de homicídios de12%. O numero de raptos em 2014 foi de 42, menos dois do que em
2013.

Referindo-se a superlotação das cadeias, Beatriz Buchili reconheceu que este é um dos principais desafios do sistema de justiça e afirmou que estão a ser tomadas medidas para atenuar o problema, medidas essas que incluem a construção de novas unidades penitenciárias.

Gilles Cistac in Maputo erschossen

Constitucionalista franco-moçambicano Gilles Cistac, assassinado este ano

Caso Cistac

Os deputados quiseram saber em que estágio se encontram as investigações sobre o assassinato do constitucionalista franco-moçambicano Gilles Cistac. A Procuradora explicou que "desde o primeiro momento da ocorrência dos factos formamos equipas de trabalho e solicitamos apoios de algumas congéneres da Procuradoria Geral e da Polícia no âmbito da cooperação internacional."

Ainda na sua intervenção, a Procuradora defendeu a transformação da Polícia de Investigação Criminal em policia judiciaria e argumentou: "Para permitir a sua funcionalidade no interesse da prevenção e combate a criminalidade. Precisamos de uma Polícia criminal tecnicamente equipada, capaz de acompanhar a dinâmica do fenómeno criminal nas suas várias dimensões."

Durante os debates, os deputados reiteraram o apelo para que os Procuradores da República sejam eleitos pelos seus pares e não indicados pelo Chefe de Estado, com vista a garantir a sua independência.

Ouvir o áudio 03:30

No Parlamento moçambicano Procuradora Geral deixa "casos quentes" de fora

Leia mais