Moçambique: RENAMO rejeita acusações de liderança ausente | NOTÍCIAS | DW | 09.09.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Moçambique: RENAMO rejeita acusações de liderança ausente

A RENAMO reage incomodada a declarações do seu membro António Bauaze, condenado por apoiar a autoproclamada Junta Militar de Mariano Nhongo.

António Bauaze denunciou a ausência de líder no partido RENAMO onde milita há vários anos e acrescentou que ele e outros membros passaram por situações de perseguição e prisão por falta de líder do partido.

Bauaze e outros quatro arguidos, incluindo Sandura Ambrósio, antigo deputado da Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO), foram ontem (08/09), foram condenados a cinco anos de prisão com pena suspensa pelo tribunal judicial de Dondo, província de Sofala, centro de Moçambique. O tribunal deu por provado serem apoiantes da autoproclamada junta militar deMariano Nhongo, dissidente da RENAMO.

À saída do tribunal, Bauaze teceu considerações que incomodaram a liderança da RENAMO. "Eu quero ainda aqui dizer de viva voz que nós, os membros da RENAMO, estamos a passar por esta situação porque o partido não tem presidente, o partido ficou órfão de líder", disse.

RENAMO reitera que líder é Ossufo Mamade

Esta quarta-feira, em Maputo, o secretário-geral da RENAMO, André Madjibiri desvalorizou a acusação de ausência de líder no partido e lembrou que: "gostaríamos de recorda-lo aqui e agora quem em Janeiro de 2019, na Serra da Gorongosa, realizou-se o sexto congresso do partido RENAMO, onde foi eleito presidente do partido o general Ossufo Momade. Portanto, o presidente do partido RENAMO chama se Ossufo Momade", enfatizou.

Ouvir o áudio 02:27

Moçambique: RENAMO rejeita acusações de liderança ausente

O número dois da RENAMO não comentou os pormenores da sentença, mas assegurou que "nós como partido respeitamos as decisões do tribunal. Tanto que não fomos nós como partido a parte acusatória neste processo".

Por seu lado, o porta-voz do partido Movimento Democrático de Moçambique (MDM), Sande Carmona, prefere não comentar, remetendo-se às palavras de Bauaze. "Não quero acreditar que existe uma outra pessoa que possa produzir uma outra verdade. Portanto, se é o que o arguido disse, ele lá sabe porque disse e como disse. Ele é que está a viver a situação".

Condenados eram da RENAMO ou do MDM?

Sobre a decisão do tribunal de Dondo, que condenou os cinco arguidos, Sande diz que se requer- um olhar atento, mas que  há que dar mérito às instituições de administração da justiça. "Os tribunais é que têm as ferramentas adequadas para fazer o julgamento. Queremos acreditar que tenha proferido essas penas de acordo com as ferramentas têm. Agora, essas ferramentas que eles buscaram para produzir uma sentença é que têm que ser olhadas. Não quero acreditar que não estejam ao alcance do público".

Até à data da sua detenção os arguidos Sandura Ambrósio e António Bauaze pretendiam abandonar a RENAMO para aderir ao MDM. Foi em nome deste último partido que concorreram à Assembleia Provincial e à Assembleia da República. Mas o MDM recusou esclarecer se chegaram a ser aceites como membros. "O MDM é um partido aberto a receber qualquer um, não importa donde é que vem. O que importa é que sejam ajustados com os interesses o MDM, com a luta do MDM, que abraçem a causa do MDM", disse.