Moçambique: Manuel de Araújo sente-se perseguido pela FRELIMO e MDM | Moçambique | DW | 28.08.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Moçambique: Manuel de Araújo sente-se perseguido pela FRELIMO e MDM

O ex-edil de Quelimane diz que tanto o MDM como a FRELIMO na cidade de Quelimane se uniram para o afastar do poder. MDM nega e afirma que Araújo está a fazer "marketing político" e a FRELIMO opta pelo silêncio.

Manuel de Araújo junto do eleitorado da RENAMO em Quelimane quando mudou do MDM para o maior partido da oposição

Manuel de Araújo junto do eleitorado da RENAMO em Quelimane quando mudou do MDM para o maior partido da oposição

Em comícios em que participa, o ex-edil de Quelimane tem afirmado que o MDM e a FRELIMO formaram uma frente unida para o afastar. Araújo acusa: "Assistimos hoje àquilo que nós sempre desconfiávamos, de que existe uma coligação MDM e FRELIMO. O MDM já não é um partido da oposição. O MDM mata-bicha, janta, almoça e dorme na cama da FRELIMO."

Manuel de Araújo foi afastado da presidência da cidade de Quelimane, capital provincial da Zambézia, na semana passada, com o voto de membros da FRELIMO, o partido no poder, e do MDM, a segunda maior força da oposição. A Assembleia Municipal de Quelimane considerou que o autarca violou a lei ao sair do MDM e ingressar na RENAMO, maior partido da oposição, em julho.

O delegado do MDM na cidade de Quelimane, Listano Evaristo, acusa Manuel de Araújo de estar a fazer "marketing político".

"Nós já assistimos na Assembleia da República à deliberação de um documento em que a RENAMO e a FRELIMO votam a favor e o MDM vota contra. E os membros da Assembleia Municipal de Quelimane entraram, reuniram e analisaram de acordo com os estatutos e a lei. Analisámos e vimos que, realmente, a  situação não era legítima, porque não é possível a alguém que reza na mesquita ocupar um cargo na Igreja Católica", conta Listano Evaristo.

Ouvir o áudio 02:10

Moçambique: Manuel de Araújo sente-se perseguido pela FRELIMO e MDM

Mas Manuel de Araújo diz que não houve qualquer ilegalidade e que está a ser vítima de perseguição.

MDM distancia-se das acusações

No entanto, o MDM nega categoricamente que se tenha coligado à FRELIMO. O delegado do MDM em Quelimane diz que "não há nenhuma coligação, isto não está escrito. É um discurso politico. Araújo esperava que o MDM se pudesse coligar com a RENAMO. A RENAMO é um partido, a FRELIMO é um partido e o MDM é outro partido, cada partido tem as suas linhas de orientação."

A DW África tentou obter uma reação da FRELIMO, sem sucesso. O chefe da bancada do partido na Assembleia Municipal de Quelimane, Rijone Bombino, mostrou-se indisponível para falar sobre o assunto.

Entretanto, à medida que as eleições autárquicas de 10 de outubro de 2018 se aproximam, os partidos desdobram-se em reuniões para preparar a votação.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados