Ministro da Defesa de Angola diz que ″nada se passa″ em Cabinda | Angola | DW | 16.04.2019

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Ministro da Defesa de Angola diz que "nada se passa" em Cabinda

O ministro angolano da Defesa, Salviano Sequeira, assegura que a situação no enclave de Cabinda é "tranquila" e afirma desconhecer a morte de militares das Forças Armadas de Angola (FAA), reivindicada pela FLEC/FAC.

Manifestação na Suíça pela independência de Cabinda (2014)

Manifestação na Suíça pela independência de Cabinda (2014)

"A situação é calma e serena. Estive fora [de Angola] e desconheço a existência de vítimas entre as FAA. Estive, entretanto, hoje com o CEMGFA [chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas de Angola] e não recebi qualquer informação nesse sentido", afirmou à agência Lusa Salviano Sequeira.

Questionado pela agência noticiosa portuguesa, que insistiu no facto de, em vários comunicados divulgados nas últimas semanas, a Frente de Libertação do Estado de Cabinda - Forças Armadas de Cabinda (FLEC/FAC) ter reivindicado a morte de vários soldados das FAA, Salviano Sequeira insistiu na mesma resposta: "A situação está calma".

Desde janeiro que a FLEC/FAC, em "comunicados de guerra", tem reivindicado a morte de soldados das FAA, cerca de uma dezena, entre eles três oficiais, segundo o movimento independentista em emboscadas no interior de Cabinda, com o último a acontecer no último dia 12, numa emboscada na região de Necuto, no qual diz terem morrido três soldados angolanos.

Assistir ao vídeo 01:57

Cabinda: "Medo, isso é coisa do passado!"

"Um território em estado de guerra"

No passado dia 28 de fevereiro, a FLEC/FAC anunciou a retoma, "de forma intensiva, da luta armada em Cabinda" e alertou que o enclave angolano é "um território em estado de guerra" e que os estrangeiros "devem tomar as medidas de segurança adequadas".

No "comunicado de guerra" enviado então à agência Lusa, a FLEC/FAC argumentou que "nunca quis a guerra e sempre abriu as portas à paz" e que "todas as oportunidades" para a construir foram "esmagadas no sangue por Angola e os seus presidentes Agostinho Neto, José Eduardo dos Santos e João Lourenço".

Na ocasião, o movimento independentista alertou a comunidade internacional e todos os seus expatriados que Cabinda é um território em estado de guerra e por isso todos devem tomar as medidas de segurança adequadas.

O Governo angolano, que nem sequer discute a possibilidade de Cabinda aceder à independência, tem insistido na ideia de que a situação no enclave é "tranquila".

A FLEC, através do seu "braço armado", as FAC, luta pela independência do território alegando que o enclave era um protetorado português, tal como ficou estabelecido no Tratado de Simulambuco, assinado em 1885, e não parte integrante do território angolano.

Criada em 1963, a organização independentista dividiu-se e multiplicou-se em diferentes fações, efémeras, com a FLEC/FAC a manter-se como o único movimento que alega manter uma "resistência armada" contra a administração de Luanda.