1. Ir para o conteúdo
  2. Ir para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Foto: DW/B. Darame

Mediação internacional para resolver crise na Guiné-Bissau?

5 de março de 2020

Ex-ministra são-tomense Maria Amorim associa-se à ideia lançada por líderes timorenses, que defendem uma "mediação internacional urgente" na Guiné-Bissau. Presidente português apela à paz e ao respeito institucional.

https://p.dw.com/p/3YtLu

A antiga chefe da diplomacia são-tomense receia que a situação de instabilidade possa derrapar e resvalar para uma situação ainda mais crítica. Ouvida pela DW África, Maria Amorim mostra-se bastante preocupada com a situação de vulnerabilidade da Guiné-Bissau e partilha a ideia lançada pelos líderes timorenses, entre os quais o antigo Presidente José Ramos-Horta, que defendem uma "mediação internacional urgente" do clima de tensão perante os riscos de agravamento da crise naquele país.

"Ramos-Horta foi o representante das Nações Unidas numa fase também atribulada da Guiné-Bissau. A proposta dele parece uma proposta sensata, de alguém com responsabilidade de cidadão do mundo e que gostaria de ver a Guiné-Bissau numa posição mais estável e menos conflituosa", afirma.

A ex-ministra são-tomense dos Negócios Estrangeiros considera que as posições estão muito extremadas e lamenta o facto de "ambas as partes" não se entenderem. "Não as vejo a sentar e encontrar uma via de diálogo, um consenso, para poderem sair deste impasse. É preferível que um olhar exterior, neutro, aberto, tolerante, possa juntar as partes dissidentes e tentar encontrar um entendimento para saírem desta situação", sugere.

Mediação internacional para resolver crise na Guiné-Bissau?

O país tem vivido vários períodos conturbados desde a independência, recorda Maria Amorim, que exorta as partes a abraçarem o apelo timorense para uma mediação internacional, porque os guineenses têm direito à paz e à segurança. "Eu partilho essa ideia de Ramos-Horta de uma mediação internacional e essa mediação internacional para surtir o efeito desejado tem que ser aceite por ambas as partes, porque senão não haverá mediação."

Umaro Sissoco Embaló, dado como vencedor da segunda volta das presidenciais da Guiné-Bissau pela Comissão Nacional de Eleições (CNE), tomou posse simbolicamente como chefe de Estado guineense na semana passada, numa altura em que o Supremo Tribunal de Justiça (STJ) ainda analisa um recurso de contencioso eleitoral interposto pela candidatura de Domingos Simões Pereira, que alega a existência de graves irregularidades no processo.

Portugal prudente e atento à situação

Marcelo Rebelo de Sousa está atento à situação de tensão que se vive na Guiné-Bissau e deseja que se encontre uma saída urgente para ultrapassar a crise que se instalou no país. O Presidente da República Portuguesa, que falou aos jornalistas à margem de um evento em Lisboa, apela ao respeito institucional naquele país lusófono.

Portugal Marcelo Rebelo de Sousa
Presidente Marcelo Rebelo de Sousa apela à paz Foto: Getty Images/AFP/P. de Melo Moreira

"Nós o que desejamos é que seja uma situação em que haja paz, tranquilidade, respeito institucional, não conflitualidade, não a situações de tensão e de agravamento da tensão, que se evite isso é fundamental", declarou.

O chefe de Estado está em sintonia com as posições do Governo português e da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), que no início desta semana emitiu um comunicado apelando "à calma e à serenidade dos atores políticos para que se evitem situações que possam levar a mais instabilidade política e violência com consequências desastrosas para o país."

O chefe da diplomacia portuguesa, Augusto Santos Silva, disse à agência Lusa que é "preciso observar atentamente" para o que está a acontecer de modo a se ter "uma posição informada" sobre o litígio, tentando ver se "esta divergência jurídica e política é ultrapassada por meios pacíficos."

Portugal acompanha a situação em articulação com a estrutura que reúne a comunidade internacional na Guiné-Bissau, o P5, que integra as Nações Unidas (ONU), a União Europeia (UE), a União Africana (UA), a Comunidade Económica de Estados da África Ocidental (CEDEAO) e a Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP).

Berlinale: Guineenses "não mereciam isso", diz Welket Bungué

Saltar a secção Mais sobre este tema
Saltar a secção Conteúdo relacionado