Jornalistas da rádio Ecclésia no Huambo denunciam intimidação | NOTÍCIAS | DW | 09.02.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Jornalistas da rádio Ecclésia no Huambo denunciam intimidação

Na província angolana do Huambo, três jornalistas da rádio Ecclésia foram chamados à polícia para depor sobre uma reportagem em que denunciaram o alegado envolvimento de um comandante da corporação no tráfico de armas.

O diretor da rádio Ecclésia - Emissora Católica de Angola, no Huambo, e outros dois jornalistas foram ouvidos no gabinete de investigação de ilícitos penais da Polícia Nacional, no final de janeiro, por causa de uma reportagem em que denunciaram o alegado envolvimento de um comandante da corporação no tráfico de armas de fogo e de munições.

As autoridades querem saber qual a fonte ouvida pelos jornalistas, mas os profissionais recusam-se a revelar. A rádio está agora a braços com um processo criminal, segundo o padre Alberto Java, diretor da estação.

"Nós só cumprimos com o nosso dever de dizer a verdade, e a fonte pediu anonimato", explica. "Não falta um espírito de intimidação por parte da polícia, não se duvida que o que eles queriam é tentar intimidar, porque não é o primeiro caso que acontece sobre este comandante", lamenta o diretor.

Alberto Java acrescenta que a rádio fez o seu papel de tentar ouvir o contraditório. Segundo o padre, foi dada oportunidade à Polícia Nacional de se pronunciar sobre o assunto, mas a corporação preferiu manter-se em silêncio.

"Tanto é assim que demos também o áudio [da denúncia] para eles ouvirem, eles ouviram mas não quiseram dizer nada e nós tínhamos que informar. Avisámos a polícia 'vai passar no programa X', e acredito que eles ouvira", afirma.

Tentativa de silenciamento

Para Memória Ekolica, responsável da ONG Horizonte Media de Angola, a postura da polícia é uma tentativa de silenciar a rádio Ecclésia e os jornalistas independentes. "Para nós, está claro que existe uma única intenção intimidatória de calar a rádio", frisa.

O sociólogo entende que a polícia está a ir atrás das pessoas erradas, ao imputar responsabilidades criminais aos jornalistas, quando deveria investigar a denúncia feita pela estação.

"Se não houvesse cobardia da parte dos senhores que moveram a ação, pensamos que deveriam ir atrás do sujeito evocado e buscar provas. Estão a desviar de novo o caminho do crime, estão a tentar intimar os trabalhadores para, no lugar de inocentes, colocar os criminosos. Os criminosos são sempre os que evitam a justiça em Angola", conclui.

A DW África contactou a Polícia Nacional no Huambo mas não conseguiu obter um posicionamento sobre o assunto. Fonte da corporação adiantou que o processo está em segredo de justiça.

Vários feridos em ataque a rádio privada em Bissau

Leia mais