Guiné-Conacri: Golpistas concentram esforços na estabilidade e em investidores | NOTÍCIAS | DW | 30.09.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Guiné-Conacri: Golpistas concentram esforços na estabilidade e em investidores

"Carta de transição" divulgada esta semana é vista como esforço para conduzir país ao controlo de civis. Militares querem mostrar a doadores e investidores do setor mineiro, que são realmente confiáveis.

Na opinião de um funcionário a trabalhar na Guiné-Conacri para a Rusal - uma gigante russa do alumínio - o golpe militar de 5 de setembro, que derrubou o Presidente Alpha Conde, não afetou tanto o setor mineiro como alguns tinham previsto.

"A situação é estável, os negócios estão a decorrer", disse a fonte da agência noticiosa AFP. "É apenas um período de transição que estamos a atravessar".

A junta militar liderada pelo tenente-coronel Mamady Doumbouya fez tudo o que estava ao seu alcance para tranquilizar os investidores estrangeiros de que irão manter os acordos existentes.

Pouco depois da tomada do poder, os líderes golpistas suspenderam o recolher obrigatório nas zonas mineiras, instaram as empresas a continuar a operar e garantiram que os portos do país se mantivessem abertos.

Pouco mais de uma semana após o golpe, Doumbouya reuniu-se com executivos mineiros para lhes dar mais garantias. Na segunda-feira (27.09), o líder do levante militar divulgou um roteiro de regresso à democracia e ao governo civil.

Manter a estabilidade

O analista Paul Melly, da think tank britânica Chatham House, diz que as provas estão a acumular-se de que os militares parecem estar empenhados numa transição séria, "centrada na restauração da boa governação", disse ele à DW. "Obviamente, uma parte disso é manter um ambiente estável para os investidores".

Por outro lado, Amadou Bah, presidente da ONG Action Mines Guinée, diz que os militares não têm escolha, principalmente porque a economia da Guiné depende fortemente da indústria extrativa - que representa 32% das receitas orçamentais.

Bauxit-Abbau in der Débélen-Mine in Guinea

A Guiné-Conacri é altamente dependente da extração de recursos minerais

"De acordo com o relatório da Iniciativa de Transparência das Indústrias Extractivas (EITI), 78% das receitas de exportação do país e 18% do produto interno bruto (PIB) provêm do setor mineiro", disse Bah à DW.

Alguns dias antes da reunião da junta com investidores e representantes da indústria, o preço do alumínio nos mercados mundiais atingiu um valor recorde de 3 mil dólares [o equivalente a mais de 2,5 mil euros], o nível mais alto em 13 anos. Embora a principal razão para isto se tenha resumido simplesmente a fornecimentos apertados, o golpe de Estado na Guiné apenas contribuiu para o nervosismo do mercado.

Dependência em commodities

A Guiné é o segundo maior produtor mundial de bauxite, o minério utilizado para fazer alumínio. É também o lar da gama Simandou, que considerada o maior depósito de minério de ferro inexplorado do mundo. O país da África Ocidental possui ainda reservas de ouro e diamante. No entanto, a nação de 13 milhões de pessoas continua a ser uma das mais pobres do mundo.

O tenente-coronel Doumbouya disse ter tomado o poder pela força para acabar com a pobreza, a corrupção endémica e a má gestão da economia. A indústria extrativa tem sido especialmente propensa a escândalos de corrupção desde que a Guiné-Conacri ganhou a independência da França, em 1958.

Segundo ativistas da sociedade civil, antes que os guineenses possam colher os benefícios das suas próprias riquezas, o setor mineiro está a precisar de uma limpeza.

Assistir ao vídeo 05:36

A bauxite e a Guiné-Conacri

"Todos os contratos mineiros assinados por Alpha Conde devem ser revistos", disse à DW Abdoulaye Oumou Sow, da Frente para a Defesa da Constituição.

"Sabemos que tem havido muita corrupção". Tem havido muita má gestão. Tem havido muitos desvios de fundos que têm sido revelados pela imprensa. Estamos à espera para ver o que a junta fará".

A revisão não é esperada para breve

Melly está confiante de que uma revisão de contratos de décadas deverá mesmo acontecer - mas talvez não tão cedo quanto muitos gostariam.

"Será provavelmente o trabalho do governo democrático que eventualmente será eleito no final da transição", disse.

Um novo Executivo teria mandato e "força moral" para rever a regulamentação do setor mineiro.

Mesmo que não tivessem a intenção de renunciar ao poder, como prometido no plano de transição, os militares teriam dificuldade em resistir à pressão internacional, especialmente da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental, CEDEAO.

Beijing, China | Alpha Conde trifft Xi Jinping

Presidente deposto Alpha Condé trabalhou em estreita colaboração com o líder chinês Xi Jinping

Interesses da Rússia e da China

Melly salienta que não será apenas o Ocidente a beneficiar de uma Guiné democrática. Os principais investidores do país, a Rússia e a China, também estarão atentos.

"Se fossem apenas os países ocidentais a insistir que a Guiné deveria regressar a algum tipo de modelo eleitoral, seria mais fácil para, digamos, os elementos nacionalistas na Guiné dizerem que os soldados estão a defender os guineenses e a desafiar as velhas potências coloniais", explicou Melly.

Embora a Rússia e a China estejam tradicionalmente menos interessadas em simpatias democráticas, terão o cuidado de não alienar outros países da África Ocidental, uma região onde ambos procuram expandir a sua influência.

A Rússia e a China, tal como outros investidores, precisam de um ambiente estável para fazer negócios, acrescentou o investigador. Karim Kamara, correspondente da DW em Conacri, concorda: "As empresas querem ver a retaguarda do domínio militar o mais cedo possível. Os investidores querem negociar com os civis".

Mas ainda resta saber se as regras do setor mineiro serão suficientemente alteradas para garantir que a população também beneficie das riquezas da Guiné. Mesmo com as suas vastas jazidas minerais, a Guiné ainda precisa de ser vista com cuidado, diz Melly.

"Se o governo guineense impuser termos demasiado duros, as empresas mineiras poderão sempre procurar certos recursos noutras áreas, como minério de ferro e ouro".

Eric Topona contribuiu para este artigo

Assistir ao vídeo 02:35

Guiné-Conacri: "Não haverá caça às bruxas", promete coronel Doumbouya