Declarado fim do surto de cólera em Cabo Delgado | Moçambique | DW | 18.06.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Declarado fim do surto de cólera em Cabo Delgado

As autoridades sanitárias de Cabo Delgado declararam o fim do surto mais prolongado da história da província no norte de Moçambique. Reforçam agora os apelos para a observância da higiene para prevenir novos casos.

Centro de tratamento em Pemba

Centro de tratamento em Pemba

Em fevereiro de 2020, eclodiu um surto de cólera nos distritos de Mocimboa da Praia, Ilha do Ibo e Macomia. Devido à movimentação da população, o vibrião colérico – a bactéria que causa a cólera - alastrou-se rapidamente para Pemba, Montepuez, Ancuabe, Chiúre e Metuge.

Ao todo, foram oito distritos abrangidos, afetando cumulativamente cerca de seis mil pessoas e resultando em 54 óbitos.

"A província desdobrou-se na implementação de todas as medidas, por um lado de prevenção, mas sobretudo para o manejo de casos de doentes com desidratação grave que iam entrando ao nível dos centros de tratamento de cólera que foram sendo abertos nestes distritos", afirma o diretor provincial de saúde em Cabo Delgado, Magide Sabune.

Dos oito distritos afetados, Ibo e Macomia foram os que registaram maior número de mortes. Para debelar o surto, as autoridades sanitárias instalaram Centros de Tratamentos de Cólera.

Momentos dramáticos

Paulino Juma, morador do bairro de Maringanha, em Pemba foi um dos pacientes que contraiu cólera e viveu momentos dramáticos no hospital.

Mosambik Klinik in Metuge

Centro de tratamento em Metuge

"Fui socorrido ao hospital. Nessa altura eu não me conseguia reconhecer. Aplicaram-me soros e somente um dia depois é que voltei a sentir-me. Mas as diarreias continuavam", recorda o sobrevivente.

Juma ficou tão doente que a família temeu pela sua vida. "Passei mal até porque a minha mãe não pensava que eu recuperaria."

Paulino Juma sabe como contraiu cólera. Desde que melhorou, reforçou as medidas do higiene em casa e tem sensibilizado a sua comunidade a manter limpos os espaços circundantes.

Reforçar a higiene

Faque Juma é outro morador de Pemba. Apesar de nunca ter contraído cólera, está ciente do risco que a doença representa. "Tive um amigo que morreu por causa desta doença. Ela é muito perigosa. E a causa é não controlar a sua higiene: deixar pratos sujos, utilizar casas de banho e não lavar as mãos com sabão, brincar com lixo", diz.

Desde abril, a província de Cabo Delgado não registou mais internamentos por causa da cólera. O que permitiu ao diretor provincial de saúde declarar o fim do surto. "Completos os respetivos períodos regulamentares em todos os oitos distritos sem registo de internamento de nenhum caso, e feitas as respetivas investigações laboratoriais a todos os casos de diarreia ligeira e ambulatório que foram sendo assistidos, sem evidência de vibrião colérico nos pacientes, encerramos os centros de tratamento e declaramos os distritos e a província de Cabo Delgado livre do surto de cólera", anunciou.

O que não significa que a população possa agora desleixar as precauções e os cuidados de higiene, disse Magid Sabune, apelando ao sentido de responsabilidade de todos os cidadãos para precaver novos surtos.

Assistir ao vídeo 03:11

Quase um milhão de pessoas em risco de fome severa no norte de Moçambique

Leia mais