Covid-19: PAIGC acusa Governo guineense de responsabilidades pela terceira vaga | Guiné-Bissau | DW | 02.09.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

Covid-19: PAIGC acusa Governo guineense de responsabilidades pela terceira vaga

Para o PAIGC, Governo é "o principal responsável" pela terceira vaga da Covid-19 no país. E mais: acusa Bissau de restringir a liberdade dos cidadãos e de usar indevidamente doações que seriam para o combate à pandemia.

Ruas vazias devido às medidas de restrição impostas pelo Governo

Ruas vazias devido às medidas de restrição impostas pelo Governo

Em conferência de imprensa esta quinta-feira (02.09), o vice-líder do grupo parlamentar do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), Wasna Papai Danfá, afirmou que, "em vez de propor medidas sérias", o Governo "adota atitudes que potenciam o alastramento da doença". 

"Para a maioria da população, está hoje claro que este regime golpista foi o principal responsável pela terceira vaga da pandemia que se regista na Guiné-Bissau e que está diariamente a ceifar a vida de muitos guineenses, facto que contribuiu claramente para o descrédito das próprias medidas de combate à pandemia junto da opinião pública" defendeu Papai Danfa. 

O deputado do PAIGC acusou ainda o Governo de restringir as liberdades dos cidadãos, através de declarações de estados de emergência ou de calamidade sanitária, "sem a autorização prévia do Parlamento". 

"O regime tem primado por uma gestão política autoritária desta crise, onde as medidas anunciadas eram claramente para serem cumpridas pelas populações, enquanto as autoridades as desrespeitavam", referiu o dirigente do PAIGC. 

Uso indevido de doações

O vice-líder parlamentar do PAIGC acusou o Governo de ter recebido, de apoios internacionais, "cerca de 100 mil milhões de francos CFA" (cerca de 152 milhões de euros) para o combate à Covid-19, mas que são gastos em "viagens turísticas do Presidente da República" e para pagar "subsídios milionários" aos titulares dos órgãos de soberania. 

Assistir ao vídeo 00:51

Covid-19: Recolher obrigatório vigora na Guiné-Bissau

O deputado afirmou que os cidadãos estão cada vez mais com receio de ir procurar os hospitais e centros de saúde públicos devido à fraca assistência. 

Como já tinha sido exigido por organizações da sociedade civil, na semana passada, o PAIGC também pede ao Tribunal de Contas uma auditoria sobre a gestão financeira que o Governo faz aos fundos que recebe dos parceiros internacionais para combater a Covid-19. 

Apelo à resistência dos cidadãos

O partido liderado por Domingos Simões Pereira insta a população a fazer uso do direito à resistência para fazer face "as decisões inconstitucionais e ilegais" no âmbito do estado de calamidade à saúde pública declarado pelo Governo. 

 A Guiné-Bissau regista 120 mortos devido à covid-19 e 5.829 infetados desde o início da pandemia.

 A covid-19 provocou pelo menos 4.529.715 mortes em todo o mundo, entre mais de 218,3 milhões de infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

 A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em países como o Reino Unido, Índia, África do Sul, Brasil ou Peru.

Assistir ao vídeo 02:22

Guiné-Bissau inicia vacinação contra a Covid-19 em plena greve da Saúde

Leia mais