Covid-19 mata dois ministros e dois altos quadros no Malawi | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 12.01.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Covid-19 mata dois ministros e dois altos quadros no Malawi

Perante um aumento significativo de casos no país, o Presidente Lazarus Chakwera decretou o estado de calamidade, no mesmo dia em que morreram dois ministros, um secretário de Estado e o governador do Banco Central.

O ministro Sidik Mia e o Presidente Lazarus Chakwera em Lilongwe, em fevereiro

O ministro Sidik Mia e o Presidente Lazarus Chakwera em Lilongwe, em fevereiro

O Presidente do Malawi, Lazarus Chakwera, decretou esta terça-feira (12.01) o estado de calamidade nacional perante o aumento dos casos de Covid-19, descrevendo a atual situação como um dos períodos mais negros da história do país. O anúncio foi feito num discurso à nação, horas depois de o porta-voz do Executivo ter anunciado as mortes do ministro do Governo Local, Lingson Belekanyama, e do ministro dos Transportes, Sidik Mia, vítimas da doença.

Ambos eram membros do Partido do Congresso do Malawi (PCM), o principal parceiro de uma aliança que derrotou o antigo chefe de Estado Peter Mutharika à segunda volta das eleições presidenciais, em junho de 2020, dando a vitória a Chakwera.

O governador do Banco Central do Malawi, Francis Perkamoyo, e o principal secretário do Ministério da Informação, Ernest Kantchentche, também morreram esta terça-feira com Covid-19, anunciou o Governo.

Todos os 31 membros do Executivo do Malawi participaram numa reunião no gabinete presidencial a 21 de dezembro. No dia seguinte, o ministro do Trabalho, Ken Kandodo, anunciou que estava infetado com o novo coronavírus, tendo já recuperado. Outro ministro, Rashid Gaffar, está atualmente em isolamento na sua residência.

Durante o período do Natal houve várias outras reuniões e um funeral em que Chakwera e outras autoridades marcaram presença.

Assistir ao vídeo 02:53

Covid-19 no Malawi: Fecho de escolas faz aumentar gravidez na adolescência

Estado de emergência iminente

O Malawi enfrenta uma nova onda de infeções pelo novo coronavírus, com cerca de 30% dos casos confirmados registados só nas últimas duas semanas.

Na segunda-feira, o Malawi registou 452 novos casos de Covid-19 e 10 mortes, a média diária mais alta desde que o primeiro caso foi confirmado, em abril, afirmou o co-presidente da Missão Presidencial para a Covid-19, John Phuka. O Malawi, adiantou, tem agora um total cumulativo de 9.027 casos e 235 mortes.

Lazarus Chakwera afirmou esta terça-feira que"a declaração do estado de calamidade é apenas o primeiro passo rumo à possível declaração de um estado de emergência sujeito a consultas e aprovação da Comissão de Defesa e Segurança da Assembleia Nacional", tal como estipulado pela Constituição do Malawi.

No discurso, o chefe de Estado lançou ainda um apelo à comunidade internacional para assistência ao país no combate à pandemia e anunciou que convocou uma reunião de emergência da Missão Presidencial para a Covid-19 para debater medidas adicionais que deverão entrar em vigor de imediato, na sequência da declaração do estado de calamidade em todo o país. 

Dirigindo-se também à nação no domingo, Chakwera tinha já atribuído o aumento de casos nos últimos dias à diminuição da vigilância durante a época festiva. "Estamos a pagar o preço, porque muitos de nós voltámos aos velhos hábitos, não usar máscara", disse o Presidente. "Quando digo muitos de nós, estou a incluir-me a mim próprio e a todos nós que trabalhamos no Governo", acrescentou.   

Leia mais