Cinco polícias do Burkina Faso mortos em novo ataque perto do Mali | NOTÍCIAS | DW | 31.10.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Cinco polícias do Burkina Faso mortos em novo ataque perto do Mali

Pelo menos cinco agentes da polícia foram mortos no Burkina Faso neste domingo (31.10) num ataque perto da fronteira com o Mali, disseram as forças de segurança.

Burkina Faso Symbolbild Anschlag

Foto de arquivo.

O Burkina Faso tem sido alvo de ataques jihadistas desde 2015, principalmente nas regiões norte e leste próximas do Mali e do Níger, mas também no sul.

Mas este foi o quarto ataque mortal numa semana contra as forças de segurança que lutam contra os jihadistas no país da África Ocidental.

"Esta manhã cedo, por volta das 6:00 am (hora local), indivíduos armados não identificados atacaram a esquadra de polícia em Di", uma cidade localizada na província de Sourou, disse à AFP uma fonte de segurança.

"Infelizmente, cinco polícias foram mortos", disse a fonte, sem atribuir o ataque a qualquer grupo em particular.

Outra fonte que se recusou a ser nomeada, próxima do Ministério da Segurança, confirmou o ataque.

Symbolbild I Sicherheitsbeamte Burkina Faso

Foto de arquivo.

Operações continuam

"Para além dos cinco polícias mortos, outros três estão desaparecidos", disse a fonte, acrescentando que "estão em curso operações para encontrá-los".

Na sexta-feira (29.10), os rebeldes atacaram dois comboios mineiros, matando pelo menos um soldado e ferindo outro no norte e leste do país.

Um dia antes, dois polícias foram mortos num ataque no norte do país.

E, no início da semana, três soldados foram mortos e sete ficaram feridos no sudoeste, perto da fronteira com a Costa do Marfim.

Os ataques no Burkina Faso, frequentemente imputados a grupos jihadistas afiliados ao Estado Islámico ou à Al-Qaeda, mataram cerca de 2 mil pessoas e forçaram mais de 1,4 milhões a fugir das suas casas.

Assistir ao vídeo 01:27

Burkina Faso: O poder das palavras