Cinco distritos continuam sem luz no norte de Cabo Delgado | Moçambique | DW | 14.01.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Cinco distritos continuam sem luz no norte de Cabo Delgado

Situação agrava-se no norte de Moçambique. Cinco distritos de Cabo Delgado estão às escuras desde o fim de semana devido à queda de uma torre elétrica. Autoridades estão no terreno a tentar resolver o problema.

As chuvas não dão trégua na província de Cabo Delgado, norte de Moçambique. A vida dos residentes já estava difícil desde o desabamento da ponte sobre o rio Montepuez, que cortou a ligação rodoviária com nove distritos, em finais de dezembro. Mas a situação ficou ainda pior a partir do fim de semana.

O aumento da bacia hidrográfica do rio Messalo, no sábado (11.01), derrubou uma torre elétrica, deixando cinco distritos do extremo norte da província às escuras: Mueda, Muidumbe, Nangade, Mocímboa da Praia e Palma.

Ouvir o áudio 02:37

Cinco distritos continuam sem luz no norte de Cabo Delgado

"Está-se mal aqui. Há coisas que deixei no congelador e que já estão a estragar-se, é o meu negócio", contou à DW África Júlio Gema, residente em Palma que apela às autoridades para que tentem "por todos os meios possíveis" estabelecer o fornecimento de energia. O comerciante lamenta também o aumento do preço dos transportes na região.  

Outro residente de Palma, que não se quis identificar, alerta para a especulação dos preços de produtos de primeira necessidade, motivada pelo corte na estrada Nacional 380. "Há duas semanas, o arroz rondava mil [meticais, o equivalente a cerca de 15 euros], um saco de 25 quilos, mas agora já não há stock. A situação é péssima", lamenta.

Equipa técnica no terreno

Uma equipa técnica do setor de Recursos Minerais e Energia de Cabo Delgado já está no terreno a tentar solucionar o problema. De acordo com o diretor provincial daqueles serviços, Danta Marizane, está a ser montada uma linha alternativa no troço onde ocorreu a queda da torre, prevendo-se o primeiro ensaio até ao final desta terça-feira (14.01).

"Todas as forças vivas estão a apoiar-nos no sentido de reposição da linha. Nestes distritos, temos hospitais, vacinas, nalguns casos temos painéis solares. Então, há necessidade de urgentemente repormos o fornecimento nestes distritos", explica o responsável.

Mosambik Unwetter l Danta Marisane Rosse

Danta Marizane, diretor provincial dos Recursos Minerais e Energia de Cabo Delgado

Esta não é o primeira vez que o aumento do caudal do rio Messalo causa a queda de torres, interrompendo o fornecimento de eletricidade à região norte da província. A DW África questionou o governante sobre as medidas em curso para eliminar o problema definitivamente.     

"A implantação de torres exatamente no leito do rio é complicada", reconhece Danta Marizane. "Há sempre chuvas que aquelas torres vão aguentando, mas estas não aguentaram. Terá de ser feito um trabalho de engenharia de modo a que se faça uma perfuração mais profunda no terraço do rio e esta estrutura sobressaia acima do nível previsto do rio Messalo", revela, acrescentando que, neste momento, se está já a fazer a reposição provisória e um estudo para ver qual é a solução definitiva para a situação.

Quatro pessoas desaparecidas

Na segunda-feira (13.01), uma camioneta que transportava passageiros de Mueda com destino a Montepuez caiu no rio Messalo. Segundo a polícia de Cabo Delgado, quatro pessoas estão desaparecidas, incluindo o condutor. Outras quatro foram resgatadas com vida. 

Augusto Guta, porta-voz do Comando Provincial da Polícia, fala em "negligência" do condutor do veículo. "Chegada à ponte sobre o rio Messalo, essa viatura, por negligência do motorista, teria desafiado a fúria das águas e ao fim da ponte teria sido arrastada pela água e os passageiros, assim como o motorista, teriam ficado submersos", relata.

O porta-voz da polícia deixa ainda um apelo para que as pessoas "esperem as águas que galgaram a ponte diminuírem para poderem transitar naquela ponte sem nenhuma dificuldade."