Cinco anos de Papa Francisco | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 12.03.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Cinco anos de Papa Francisco

O primeiro papa da América Latina foi eleito em 2013. Quebrar barreiras tem sido a missão de Francisco, que nos últimos anos se tornou numa espécie de "estrela pop" teológica e política. Balanço de um pontificado.

"Uma pessoa que pensa em construir muros em vez de pontes não é cristã. Isso não está no Evangelho", disse, sem rodeios, o papa Francisco na viagem que fez ao México, há dois anos. O pontífice criticava desta forma os planos do Presidente norte-americano, Donald Trump, de construir um muro para separar o México e os Estados Unidos da América (EUA).

O argentino Jorge Mario Bergoglio, agora com 81 anos, está no Vaticano há cinco anos. Poucos minutos depois da eleição do primeiro papa latino-americano, a 13 de março de 2013, já havia sinais de que este papa vindo de "outro fim do mundo", como o próprio declarou na altura, parecia ser diferente dos seus predecessores.

Vatikan Ivanka Trump, Melania Trump, Donald Trump & Papst Franziskus

Ivanka, Melania e Donald Trump foram recebidos no Vaticano em maio de 2017

Superar divisões

A mensagem do papa Francisco é simultaneamente política e pastoral. No muro de Belém, rezou pela paz entre Israel e a Palestina. Também defendeu o fim da "era do gelo político" entre Cuba e os Estados Unidos. E recebeu refugiados no Vaticano.

"Francisco quer superar divisões ao invés de cimentá-las com muros, porque ele é muito político", diz Bernd Klaschka, próximo do papa e ex-presidente-executivo da Ação Episcopal Adveniat, organização católica de ajuda à América Latina. "Na América Latina, Francisco desempenha um papel semelhante ao de João Paulo II na Europa, que contribuiu para a queda do Muro (de Berlim)", lembra.

Ouvir o áudio 03:55
Ao vivo agora
03:55 min

Cinco anos de Papa Francisco

Embora o muro entre o México e os EUA continue a crescer, Francisco já conseguiu quebrar barreiras na Colômbia e em Cuba, através da mediação entre as partes em conflito.

A sua visita à República Centro-Africana em 2015 também contribuiu para o cessar-fogo e para a realização de eleições livres no país.

Mudanças na Igreja

Dentro da Igreja Católica também parece haver sinais de mudança. O papa nomeou novos cardeais da América Latina, de África e da Ásia e deu mais poder de decisão às conferências nacionais e regionais de bispos.

A maioria dos 49 cardeais nomeados por Francisco vem de países emergentes e em desenvolvimento, que até aqui tinham recebido pouca atenção no Vaticano. Aumenta, assim, a possibilidade de na próxima eleição papal o comité de cardeais - formado por 117 membros - escolher pela primeira vez um papa africano.

O membro mais jovem do comité é Dieudonné Nzapalainga, de 50 anos, arcebispo de Bangui, capital da República Centro-Africana. "O sumo pontífice ama África. Recentemente, ele pediu a todos os católicos e ao mundo inteiro que rezem pela paz no Congo e no Sudão do Sul", disse em entrevista à DW.

Assistir ao vídeo 05:45
Ao vivo agora
05:45 min

Fugir da violência na República Centro-Africana

Em 2015, Dieudonné Nzapalainga foi distinguido na Alemanha com o Prémio da Paz de Aachen, juntamente com o imã Kobine Layama, também da República Centro-Africana, pelos seus esforços em prol da reconciliação entre cristãos e muçulmanos no país.

Para o teólogo brasileiro Leonardo Boff, o rejuvenescimento do comité de cardeais mostra que Francisco pretende formar "uma dinastia de papas do Terceiro Mundo". "Este papa vai mudar a Igreja", disse à DW pouco depois da eleição de Francisco.

"Nunca antes num Pontificado houve tanta coragem para denunciar um sistema imperati. E ele inaugura uma primavera na Igreja. Vivemos 30 anos no inverno, numa espécie de volta à grande disciplina, enquadrando teólogos, condenando muitos que ocupavam cátedras importantes", defende Boff.

Padres casados?

A primeira viagem ao estrangeiro do sucessor de Bento XVI foi ao Brasil. Francisco chegou ao Rio de Janeiro em 2013 para a Jornada Mundial da Juventude. Agora, o papa convocou uma Assembleia Especial do Sínodo dos Bispos para a região Pan-amazónica, que terá lugar em 2019, no Vaticano.

Neste evento, deverá decidir-se se homens casados ​​podem ser ordenados padres, um tema tabu para a Igreja Católica. Os mais críticos já defendem que é preciso evitar o que chamam de "teologia Copacabana", em que os dogmas são suavizados e a doutrina tradicional da igreja é questionada.

"A igreja não pertence aos conservadores, mas a todos", responde o arcebispo de Accra, Gabriel Charles Palmer Buckle, que considera as reações exageradas. "Do mais conservador ao mais liberal, há espaço para todos nós no coração do papa Francisco".

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados