Cimeira União Europeia-China arranca com tensão económica na agenda | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 14.09.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Cimeira União Europeia-China arranca com tensão económica na agenda

A União Europeia e a China reúnem-se esta segunda-feira (14.09) numa cimeira extraordinária virtual, num momento em que a Europa sente uma crescente frustração face à ausência de reformas estruturais na economia chinesa.

O Presidente chinês, Xi Jinping, vai reunir-se por videochamada com a chanceler alemã, Angela Merkel, o Presidente francês, Emmanuel Macron, e os presidentes do Conselho Europeu e da Comissão Europeia, Charles Michel e Ursula von der Leyen, respetivamente.

Uma cimeira extraordinária UE/China esteve marcada para setembro em Leipzig, na Alemanha, mas a pandemia de Covid-19 levou ao seu cancelamento. Os dirigentes europeus e chineses já se tinham reunido por videoconferência en 22 de junho.

Segundo a agenda do Conselho Europeu, além das relações económicas e comerciais, a reunião será consagrada às alterações climáticas, a "outras matérias internacionais e assuntos preocupantes", assim como à resposta à pandemia.

A UE está a negociar com a China um potencial acordo de investimento que visa proteger os interesses comerciais europeus na segunda maior economia do mundo.

"Mudança na postura" face à China

As negociações para o acordo, que tornaria mais fácil, por exemplo, aos investidores da UE comprarem participações em empresas chinesas, visando tornar a relação recíproca, arrastam-se há vários anos, alimentando a frustração dos líderes europeus e uma "mudança na postura" face à China, explicou à Lusa o sinólogo francês François Godement.

O conselheiro para a Ásia no Institut Montaigne, em Paris, considerou que a União Europeia (UE) passou da "crença exagerada" de que o envolvimento com a China "traria mudanças por si só e integração", para uma postura de "cautela e desafio", visando garantir que "os seus interesses não são desafiados diretamente pela China".

Parte desta frustração deve-se à ausência de reformas estruturais na economia chinesa, algo que resultou já numa guerra comercial e tecnológica entre Pequim e Washington.

PK EU-China-Gespräche

Ursula Von der Leyen, presidente da Comissão Europeia, e Charles Michel, presidente do Conselho Europeu, durante a cimeira UE-China em junho

"Trata-se de uma admissão fundamental por parte da UE sobre a falta de reforma e abertura na China. É realmente sobre a era de Xi Jinping", apontou o analista, numa referência ao atual Presidente chinês, que reverteu décadas de reformas económicas e reforçou o domínio do Partido Comunista Chinês sobre a economia.

"As exigências dos europeus são estruturais: libertar o mercado chinês de subsídios, abrir contratos públicos e a indústria dos serviços", resumiu o sinólogo francês.

A mudança de posição da Europa ocorre, no entanto, com mais discrição do que nos Estados Unidos, que passaram a definir a China como a sua "principal ameaça", apostando numa estratégia de contenção das ambições chinesas em todas as frentes.

Travar aquisições hostis durante a pandemia 

Bruxelas adotou, nos últimos anos, várias "medidas defensivas", incluindo a criação de um mecanismo de triagem do investimento externo e um outro para travar aquisições hostis durante a pandemia do novo coronavírus. 

A Comissão Europeia aconselhou ainda os Estados-membros a aplicarem "restrições relevantes" aos fornecedores considerados de "alto risco" nas redes móveis de quinta geração (5G), incluindo a exclusão dos seus mercados para evitar riscos "críticos", numa alusão ao grupo chinês das telecomunicações Huawei.

"A Europa não segue as mudanças de estratégia da administração dos Estados Unidos sob [Donald] Trump. Não soa tão hostil ou agressiva. Estas medidas defensivas foram tomadas sem nomear a China", notou Godement.

O analista disse, porém, que apesar da discordância entre os dois lados do Atlântico em vários assuntos, a atual administração norte-americana tem feito um esforço para formar uma frente comum contra Pequim. "Em muitas outras áreas, a aliança precisa de ser recriada, mas no que toca à China há uma discussão vigorosa", explicou. 

"Os chineses são bons no que eu chamaria de concessões contratuais, como prendas, para avançar com a sua agenda, mas não concessões estruturais", apontou. "O problema é que [estas concessões] só são feitas a parceiros numa posição de força, e não àqueles onde sentem fraqueza", disse.

Leia mais