Catalunha: Novos protestos em Barcelona | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 19.10.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Catalunha: Novos protestos em Barcelona

Barcelona é palco, este sábado (19.10), de mais um protesto independentista "pacífico". Manifestantes protestam contra sentença de líderes independentistas condenados no início da semana. 83 pessoas foram já detidas.

Desde o início desta semana que o centro de Barcelona está transformado "num campo de batalha" com várias avenidas cortadas e fogueiras em vários locais. Consequência dos movimentos de protesto que ali se têm registado para condenar as sentenças dos políticos envolvidos na tentativa separatista de 2017 que, em alguns casos, vão até 13 anos de prisão.

Depois do anúncio da sentença, os independentistas fizeram cortes de estradas e de vias de caminho-de-ferro um pouco por toda a Catalunha.

Esta sexta-feira (18.10), dia de greve geral na cidade, deslocaram-se ao centro de Barcelona cerca de 500 mil pessoas, naquele que foi, desde segunda-feira, o dia de maior afluência aos protestos. Depois de uma manifestação pacífica, ativistas radicais separatistas voltaram a entrar em confronto com a polícia, ao cair da noite. Atiraram pedras e objetos metálicos, enquanto a polícia respondeu com balas de borracha e gás lacrimogéneo.  Destes confrontos resultaram, pelo menos, 152 feridos.

Outros 30 manifestantes ficaram também feridos em Girona, Tarragona e Lérida. Ao todo, um total de 83 pessoas foram detidas em toda a região como resultado da violência, disse fonte do Ministério do interior à agência de notícias francesa, AFP. 

Kataloniens Generalstreik

83 pessoas foram detidas, esta sexta-feira (18.10), na Catalunha, Espanha

Para o final da tarde deste sábado (19.10), está agendada mais uma manifestação independentista "pacífica". No entanto, e por causa dos incidentes registados nos últimos dias, a Guarda Urbana de Barcelona publicou uma mensagem na rede social Twitter a recomendar aos comerciantes para baixarem as persianas antes do início da concentração.

Apelos ao governo

Esta manhã, o chefe do governo regional catalão, Quim Torra, pediu ao primeiro-ministro espanhol em funções, Pedro Sánchez, que fixe a data da reunião que vai abrir "conversações e negociações imediatas" para encontrar uma solução política para a situação da Catalunha e pediu um protesto pacífico.

Depois de cinco noites de conflitos violentos, Quim Torra pediu "calma" e que os protestos sejam pacíficos: "Nenhuma forma de violência nos representa", afirmou, destacando que o movimento pela independência foi "transversal, massivo, ético e pacífico".

Entretanto, também em declarações este sábado, o secretário-geral do partido de extrema direita Vox  pediu ao governo espanhol que autorize "de uma vez por todas" a polícia a atuar "como sabe" na Catalunha e, em consequência, use "todo o material antidistúrbios".

Leia mais