Cabo Delgado: Família raptada por terroristas foi resgatada | Moçambique | DW | 16.09.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Cabo Delgado: Família raptada por terroristas foi resgatada

Família foi resgatada pela força conjunta e relata os momentos de terror vividos às mãos dos insurgentes. Polícia diz que já foi restabelecida a segurança em Quissanga e apela à população que regresse a casa.

Fotografia de arquivo.

Fotografia de arquivo.

O comandante-geral da Polícia da República de Moçambique (PRM), Bernardino Rafael, disse esta quinta-feira (16.09), em Pemba, que já estão garantidas as condições de segurança no distrito de Quissanga, anteriormente palco de incursões terroristas. Por isso, exortou a população daquela zona a voltar às suas terras.

"Podem voltar", assegurou. "É verdade que as vias de acesso estão difíceis, mas não é impossível chegar a Quissanga hoje para produzirmos. Vamos voltar a casa para ser o exemplo para os distritos que estão mais ao norte. A riqueza do moçambicano é a terra."

O apelo segue-se a intensos confrontos que culminaram com a expulsão do grupo que aterrorizou e ocupou, no ano passado, a sede distrital, provocando mortes, destruições e a fuga das populações.

Família resgatada

Também esta quinta-feira (16.09), a polícia em Cabo Delgado anunciou o resgate de uma família que foi raptada por terroristas, no ano passado, e mantida refém em Mocímboa da Praia.

"Durante os ataques, nos escondemos dentro de casa, pois julgávamos que ali era seguro. O que não sabíamos é que eles estavam à porta a forçar a entrada. Foi quando conseguiram entrar e ficámos em pânico com aquela situação", contou uma sobrevivente.

"Naqueles dias, fomos amarrados a uma árvore e torturados com paus, ferros e diversos objetos que ali encontravam. Graças aos gritos e choros do meu filho paraplégico, os terroristas pararam com a tortura e foram-se embora levando os alimentos que acabávamos de tirar da nossa machamba".

Assistir ao vídeo 02:21

Moçambique: "Ataques terroristas não têm nada a ver com Islão"

Os familiares viveram momentos de angústia sem notícias dos parentes raptados. "Eu chorei muito", conta a filha de uma sobrevivente.

"No dia 10 deste mês recebi a ligação da polícia em Mocímboa da Praia indicando que ela já tinha sido resgatada. Nem acreditei, porque pensava que os [insurgentes]já a tinham matado. Tiveram de passar o telemóvel à minha mãe. Quando ouvi a voz dela, nem consegui falar com ela."

Mais viaturas

A polícia dispõe, entretanto, de mais 11 viaturas para trabalhos de patrulha, visando garantir a tranquilidade nas comunidades e segurança nas principais estradas nas zonas norte e centro de Cabo Delgado.

As viaturas foram entregues aos comandos distritais de Palma, Mocímboa da Praia, Nangade e Muidumbe.

"As restantes viaturas operativas vão servir para a patrulha ao longo da Estrada Nacional 380, nos eixos Macomia-Auasse, Auasse-Mocímboa da Praia, Mocímboa da Praia-Palma", informou o comandante-geral da PRM, Bernardino Rafael.

"Queremos o mesmo desdobramento de patrulha [na estrada] Auasse-Mueda, Namaua-Nangade. Mesmo se for necessário nós escoltarmos os carros para podermos chegar em segurança onde as pessoas querem regressar. Mesmo os semi-coletivos podemos escoltar e levar os cidadãos de regresso às suas casas".

Assistir ao vídeo 02:12

Aldeia 3 de Fevereiro: Novas esperanças para deslocados em Cabo Delgado

Leia mais