Cabo Delgado: Empresa ruandesa prestes a entrar no negócio do gás? | Moçambique | DW | 07.03.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Cabo Delgado: Empresa ruandesa prestes a entrar no negócio do gás?

Afinal, sempre poderá haver um pagamento pela intervenção militar ruandesa no norte de Moçambique, com a bênção da Total. A construtora NPD, uma das maiores do Ruanda e próxima de Kagame, poderá operar em Cabo Delgado.

Paul Kagame (esq.), Presidente do Ruanda, e Filipe Nyusi, Presidente de Moçambique

Paul Kagame (esq.), Presidente do Ruanda, e Filipe Nyusi, Presidente de Moçambique

De acordo com a plataforma Africa Intelligence, "a construtora ruandesa NPD juntou-se, à última da hora, à lista de empresas que concorrem para a realização de trabalhos preparatórios no projeto de gás em Moçambique". A NPD, vista como próxima do Presidente do Ruanda, Paul Kagame, é uma das maiores construtoras do país, destacando-se em obras de grande vulto como barragens, estradas e pontes.

Reagindo ao anúncio, o diretor da organização não-governamental Centro para a Democracia e Desenvolvimento (CDD), Adriano Nuvunga, comenta: "Já estamos a ver os ruandeses, que disseram inicialmente que vinham para aqui ajudar, mas já se estão a começar a beneficiar [do negócio do gás]".

Interesses económicos por detrás da solidariedade

Desde a entrada das tropas ruandesas em Cabo Delgado, em meados de 2021, para ajudar Moçambique a combater a insurgência, que não se conhece o acordo assinado entre Maputo e Kigali para o feito. Aliás, nem o Parlamento moçambicano foi ouvido a respeito, o que causou contestação.

Soldados ruandeses a caminho de Moçambique

Tropas ruandesas enviadas para o norte de Moçambique num contingente inicial de 1000 homens

Por isso, a atuação, considerada pouco transparente, é frequentemente criticada por diversos setores da sociedade. Para o académico João Feijó, "a prova dos nove" em relação a certa suspeita já é visível: "Esta pode ser uma notícia que fundamenta a ideia de que a motivação ruandesa para intervir em Cabo Delgado não está relacionada com um dever pan-africanista e de solidariedade para com Moçambique, como vinha sendo apregoado", considera.

Segundo Feijó, esta pode ser "uma decisão enquadrada numa estratégia económica de entrada no negócio do gás e de aproveitamento de empreitadas que vão surgir depois da implementação da Total".

As movimentações da TotalEnergies

O Africa Intelligence afirma ainda que "a gigante francesa TotalEnergies tem uma dívida a pagar ao Ruanda pelo seu papel no restabelecimento da segurança na província de Cabo Delgado", algo há muito apontado por vários setores, porém nunca confirmado por nenhum dos governos e nem mesmo pela Total.

Logo französisches Öl- und Gasunternehmen TotalEnergies

A multinacional francesa deverá investir cerca de 20 mil milhões de dólares na exploração de gás em Cabo Delgado

Na senda do adágio popular "não há almoços de graça", Feijó sublinha que as relações internacionais são movidas por interesses. "Mais tarde ou mais cedo, iríamos perceber a relação económica que existe nesta estratégia ruandesa, e começamos agora a ver", afirma.

A Total, que exige garantias de segurança para voltar a operar em Cabo Delgado, lugar que abandonou em 2021 devido à escalada dos ataques insurgentes, tem consolidado cada vez mais as suas relações com o Ruanda. Em finais de janeiro assinou um memorando de entendimento com Kigali para o desenvolvimento de projetos no setor energético.

Será esta uma oportunidade para que Kigali continue a obter os pagamentos pela sua intervenção armada em Cabo Delgado?

Enquanto a resposta não surge, outros receios vão surgindo em Moçambique, como por exemplo, de que Maputo passe a curvar-se a Kigali devido a uma suposta dívida pela intervenção militar ruandesa, cujos resultados têm sido bastante elogiados.

Mulheres soldado ruandesas em Moçambique

Leia mais