Cabo Delgado: ″É melhor aceitar ajuda agora do que perder a guerra″ | Moçambique | DW | 23.04.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Cabo Delgado: "É melhor aceitar ajuda agora do que perder a guerra"

Investigador alerta para possível recrudescer da violência na província de Cabo Delgado logo após o Ramadão. Denuncia também a "incompetência" do Governo e pede a Moçambique que aceite rapidamente ajuda internacional.

Os terroristas poderão voltar com ataques "espetaculares" contra Cabo Delgado depois do sagrado mês do Ramadão para os muçulmanos, que vai de 13 de abril a 12 de maio, prevê o investigador Fernando Cardoso.

Seria então a "trégua" uma oportunidade para o Exército moçambicano se reorganizar? O especialista em assuntos africanos não acredita, pois considera o Governo de Moçambique incompetente e defende que Maputo precisa, entre outras coisas, de ajuda tático-operacional.

Contudo, em entrevista à DW, Cardoso começa por lembrar que os terroristas já atuaram em circunstâncias mais improváveis.

DW África: Desconfia que os terroristas possam voltar em peso aos ataques depois do Ramadão?

Fernando Cardoso (FC): Nós estamos na altura do Ramadão, razão pela qual houve uma diminuição [da violência] após os ataques a Palma. Portanto, depois de 12 de maio, o mais natural é haver atuações espetaculares por parte [dos insurgentes].

O que está a acontecer no terreno é uma tentativa de ocupação de Palma por parte das Forças Armadas moçambicanas e de defesa de outros sítios, ou seja, não está a haver um movimento operacional de perseguição desses mesmos grupos, que tem de ser feito em simultâneo com esforços diplomáticos. E aí a SADC pode apoiar, e os parceiros internacionais também. [É preciso] que as elites económicas e políticas - moçambicanos e tanzanianos - percebam que não podem brincar com o fogo.

Assistir ao vídeo 02:28

A violência terrorista contra crianças em Cabo Delgado

Na época das chuvas, por [os insurgentes] não fazerem ações espetaculares, pensou-se que eles estivessem dispersos ou desmoralizados e que isso correspondia a um avanço da capacidade de contra-ataque por parte das Forças Armadas, mas de repente eles atacam em várias frentes e fazem o que fizeram a Palma. Aliás, eles saíram de Palma não porque o Exército governamental os tenha escorraçado. Eles saíram por razões táticas.

DW África: Que razões?

FC: Em Palma, [os terroristas] cumpriram três objetivos: o primeiro objetivo era paralisar o projeto da Total e conseguiram. Conseguiram também a atenção do mundo e dizer ao Governo e à população moçambicana, e aos vizinhos, que têm força. A partir desse momento, em que dizem que têm força, a capacidade de recrutar jovens aumenta. Isto acontece seja ela qual for a guerra, o sítio ou a história.

O segundo objetivo que eles tinham era mostrar à população quem mandava, através do terrorismo de persuasão. Eles conseguiram isso. Conseguiram incutir na população, não só dos distritos afetados pela guerra, como também na província toda e no país, que eles são uma força mais "forte" que o Exército moçambicano.

O terceiro objetivo foi dar visibilidade ao Daesh. Há muita gente que diz que o Estado Islâmico não tem nada a ver com isto – não. Não tem a ver do ponto de vista do comando das operações, porque este tipo de movimento, que existe em vários sítios do mundo, incluindo na Europa, não funciona com comandos centrais. Funciona com comandos locais autónomos e independentes. Porém, funciona a partir de uma ideia, do Estado Islâmico, em que as pessoas são obrigadas, ou pela persuasão ou pela força, a aceitar uma determinada interpretação do Islão que a maioria muçulmana considera apóstata. Além disso, as pessoas são obrigadas a ter uma maneira de viver contrária à sua forma de viver ancestral. Têm que aceitar um conjunto de preceitos e comportamentos que não corresponde àquele que tinham anteriormente. Portanto, em Cabo Delgado há uma guerra de natureza ideológica e civilizacional por uma seita que segue preceitos religiosos de natureza salafita, condenada e considerada apóstata por parte dos muçulmanos. Portanto, chamar-lhes "jihadistas" ou "extremistas islâmicos" é fazer-lhes um favor, e deve ser evitado, porque isto ofende a comunidade muçulmana.

Assistir ao vídeo 02:18

O relato de um sobrevivente do terrorismo

DW África: Por causa do Ramadão há então uma espécie de trégua não declarada do lado dos terroristas? Esta trégua implícita seria uma oportunidade para o Exército moçambicano se reorganizar?

FC: Sim, mas aí já temos os dados da situação: em primeiro lugar, Moçambique tem um Governo incompetente. Em segundo lugar, existe uma história passada de enriquecimento ilícito. Antes da guerra começar, muitos comerciantes e alguns políticos enriqueceram com o tráfico de heroína em Cabo Delgado, e isso está absolutamente relatado pelas agências internacionais de segurança e pela Interpol. Portanto, há aqui algo que vem de trás e que leva a que as elites económicas e políticas de Moçambique sejam corruptas.

Neste momento, o que nós temos infelizmente é o Estado moçambicano a ser atacado e mal defendido por um Governo que se deixou corromper. Eu não estou a dizer que o [Presidente Filipe] Nyusi é corrupto. O que estou a dizer é que se deixou corromper por aqueles que têm dinheiro para pagar.

O problema principal é a guerra, que tem de ser parada independentemente do Governo ser mau. É por isso que o Governo tem de aceitar ajuda e ser ajudado. E essa ajuda não é só de conselhos ou formação, é uma ajuda tático-operacional. Posso dizer-lhe até o seguinte: com 20 ou 30 pessoas experimentadas em tática operacional de guerrilha, o Exército e os recrutas moçambicanos podem fazer a guerra. Sem isso não fazem. Enviar para lá batalhões de forças estrangeiras que não falam a língua local e que não sejam muçulmanos vai lançar uma confusão dos diabos, porque vai permitir que os outros digam: 'atenção, nós estamos aqui para vos defender desses estrangeiros que vieram para aqui'. E isto é um dos problemas que o próprio Governo moçambicano tinha, mas eles têm que aceitar e definir o tipo de ajuda.

O Ramadão vai chegar ao fim e o Governo está titubeante, sem saber muito bem o que fazer, a ser levado pelas circunstâncias e a ter que aceitar a ajuda em termos que não queria. Mas vai ter que aceitar, e espero que chegue à conclusão que é melhor aceitar agora, rapidamente, do que perder a guerra.

Assistir ao vídeo 03:24

Cabo Delgado: Que tipo de apoio a UE pode dar a Moçambique?

Leia mais