1. Ir para o conteúdo
  2. Ir para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Burkina Faso
Foto: Olympia De Maismont/AFP
PolíticaBurkina Faso

Tentativa de golpe de Estado dá 'um susto' à junta militar

Amós Fernando | DW (Deutsche Welle) | com agências
30 de setembro de 2022

Depois de tiroteios, esta sexta-feira (30.09), em Ouagadougou, no Burkina Faso, a Junta Militar acusa alguns militares de perturbarem a 'ordem pública' e já decorrem negociações para o restabelecimento da calma.

https://p.dw.com/p/4Hbxb

Nas primeiras horas do dia ouviram-se tiros, nos arredores de Ouagadougou, a capital de Burkina Faso, próximo do palácio presidencial e do quartel-general da junta militar que lidera o país desde finais de janeiro deste ano, altura em que derrubou o então Presidente, Roch Marc Kaboré.

Em entrevista à DW África, Ulf Laessing, chefe do Programa Regional do Sahel na Fundação Konrad Adenauer (KAS), com sede no Mali, analisa os acontecimentos: "Pode ser um golpe de Estado, ou agitação dentro do exército. Pode também ser que nada disto tenha consequências e que o atual Governo militar continue no poder.

Numa publicação na rede social Facebook, a presidência burquinabê, liderada pelo coronel Paul-Henri Damiba, acusou certas unidades militares do país de estarem por detrás da perturbação.

Citado pela Agência France-Presse, o porta-voz do governo, Lionel Bilgo, garante que já estão em curso negociações para o restabelecimento da ordem no país.

Ataques jihadistas

Desde 2015, o Burkina Faso confronta-se com ataques jihadistas constantes em várias regiões do país. Estima-se que milhares de pessoas terão morrido e cerca de dois milhões estão deslocadas.

 O líder da Junta Militar do Burkina Faso, Paul-Henri Damiba
O líder da Junta Militar do Burkina Faso, Paul-Henri DamibaFoto: Luc Gnago/REUTERS

Em janeiro, quando Paul-Henri Damiba tomou o poder, prometeu restabelecer a segurança no país. Mas, para Ulf Laessing a situação piorou.

"O Burkina Faso encontra-se numa crise ainda mais profunda do que muitos pensavam”, disse Laessing, esclarecendo que "fora da capital e da segunda cidade do país, Bobo Dioulasso, a situação [de segurança] está na realidade quase fora de controlo".

'Damiba traiu o povo'

Dezenas de pessoas empunhando bandeiras do Burkina Faso e da Rússia, juntaram-se, esta tarde, no monumento de Thomas Sankara, nos arredores de Ouagadougou, para saudar o que consideram ser mais um golpe de Estado no país.

Uma das manifestantes, que se identificou como Mãe Pan-Africana, citada pela agência de notícias AP disse: "Estou feliz. Hoje é um dia de alegria. Se eu pudesse dar-me ao luxo de pagar uma vaca, abatia-a agora [em celebração]”.

François Beogo, ativista político do Movimento para a Tefundação do Burkina Faso, que também participou na manifestação, acusa o atual líder do país de traição.

Burkina Faso | Ouagadougou | Putschgerüchte
Dezenas de manifestantes sairam à rua em saudação a tentativa de golpe de EstadoFoto: AP Photo/picture alliance

"Damiba mostrou-nos os seus limites. Traiu o povo”, disse Beogo  para quem "o povo esperava uma verdadeira mudança. Mas a nível diplomático, durante um período de crise, a nossa diplomacia foi muito passiva em vez de ativa”.

Apoio russo no combate ao terrorismo

Para combater o terrorismo no país, alguns burquinabês defendem o apoio russo. Mãe Pan-Africana é disso um exemplo. 

"Queremos a Rússia e uma colaboração com o Mali. Queremos que o Burkina se liberte do povo francês. Abaixo com a França! A França nunca abandona um país por sua própria vontade", disse a manifestante, empunhando a bandeira russa.

A antiga Primeira-Ministra do Senegal, Aminata Touré, descreve a situação no Burkina Faso como preocupante.

Para a ex-governante senegalêsa "estas são situações que devem ser evitadas”. Touré recomenda um diálogo entre os atores políticos no Burkina Faso.

"Porque, para mim, o exército não é feito para governar um país. O exército é feito para garantir a segurança de um país”, disse Aminata Touré.

O Burkina Faso, a Guiné-Conacri e o Mali, todos membros da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO)  estão sob liderança de juntas militares depois dos governos constitucionalmente eleitos terem sido derrubados por golpes militares.

Burkina Faso: Celebrações pro-junta nas ruas de Ouagadougou

Saltar a secção Conteúdo relacionado