Após ceticismo, Governo da Tanzânia inicia campanha de vacinação | NOTÍCIAS | DW | 29.07.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Após ceticismo, Governo da Tanzânia inicia campanha de vacinação

Diferente do antecessor John Magufuli, Presidente Samia Suluhu apela para que população tome vacina contra Covid-19 o mais breve possível. Em África, apenas Burundi e Eritreia ainda não iniciaram campanha de vacinação.

Foi um grande avanço para a Tanzânia, depois do Governo negacionista do antigo Presidente John Magufuli. Contra a Covid-19, a Presidente Samia Suluhu lançou a campanha de vacinação e ela foi uma das primeiras imunizadas nesta quarta-feira (28.07).

A chefe de Estado, que assumiu o poder em março, após a morte de Magufuli, deixou claro que o país tem desafios pela frente: "O número de pessoas a se vacinar, que ainda é pequeno. Estamos a fazer esforços para garantir mais vacinas".

Samia Suluhu revelou que está em contato com o a direção do Centro de Controlo de Doenças em África (CCDA). "Os preparativos que estão a ser feitos pela União Africana, e [o diretor-geral do CCDA disse] que mais vacinas foram compradas para serem vendidas aos países africanos".

Tansania Wahlen 2020 | John Magufuli

Governo de Magufuli foi marcado pelo negacionismo

"Infetados pelo ceticismo"

Sob o Governo de Magufuli, a Tanzânia passou bem mais de um ano sem atualizar o número de casos de Covid-19 no país, mas recomeçou agora a comunicar os dados ao Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana.

Esta quarta-feira, o país registou 858 infeções. Um dos desafios do Governo tanzaniano é inverter o ceticismo que a administração anterior promoveu em relação aos imunizantes.

"Não estou disposto a ser vacinado porque temos muitos medicamentos tradicionais e não podemos ser forçados a tomar a vacina, e é por isso que o Governo disse que a vacinação é voluntária. Por que não consideramos as nossas soluções tradicionais?", questiona Kelvin Mmari, residente em Dar es Salaam.

Assim como a Presidente, a ministra da Saúde da Tanzânia  também defendeu a vacinação. Dorothy Gwajima salientou que a vacina é segura. "Os tanzanianos devem sair confiantes para serem vacinados. A informação de pessoas que não são profissionais de saúde apenas as enganará", alertou.

Infographic COVID-19 New Cases Per Capita – 2021-07-28 – Africa - Portuguese (Africa)

Imunização atrasada

Por outro lado, há cidadãos que defendem a vacinação. "A ação da Presidente na batalha contra o novo coronavírus trouxe alívio aos tanzanianos e vamos assegurar que nos juntaremos a outros países nesta luta. As vacinas vão proteger-nos da Covid-19 e garantirão o nosso bem-estar", opina Hawa Bihoga, também residente na capital tanzaniana.

A Tanzânia está a tentar recuperar o atraso, uma vez que muitas partes do continente africano enfrentam uma nova vaga de infeções – também por causa da variante Delta do novo coronavírus.

De acordo com dados do continente, apenas o Burundi e a Eritreia ainda não iniciaram uma campanha de vacinação contra a Covid-19 em África.

Assistir ao vídeo 01:52

Tanzânia: Ativista oferece pensos higiénicos reutilizáveis para raparigas

Leia mais