Angola: Pluralidade da TV Zimbo, O País e Rádio Mais tem os dias contados? | Angola | DW | 04.08.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Angola: Pluralidade da TV Zimbo, O País e Rádio Mais tem os dias contados?

Sindicato dos Jornalistas Angolanos está preocupado com eventual interferência na linha editorial da TV Zimbo, jornal O País e Rádio Mais, que passaram para a esfera do Estado. Governo promete manter a pluralidade.   

Instalações em Luanda da TV Zimbo, estação parceira da DW

Instalações em Luanda da TV Zimbo, estação parceira da DW

Segundo o Serviço Nacional de Recuperação de Ativos, a TV Zimbo, o jornal O País e a Rádio Mais foram criados com fundos públicos. Por isso, na semana passada, a gestão destes órgãos passou para o Estado angolano, no âmbito do combate à corrupção em curso no país.   

O grupo Média Nova, detentor da TV Zimbo, jornal O País e a Rádio Mais, pertencia a Leopoldino do Nascimento "Dino" e Hélder Vieira Dias "Kopelipa", antigas figuras próximas do ex-Presidente José Eduardo dos Santos.    

Em entrevista à DW África, Teixeira Cândido, secretário-geral do Sindicato dos Jornalistas Angolanos (SJA), garante que os empregos dos profissionais estão salvaguardados. Mas está preocupado com uma eventual interferência do Estado na linha editorial destes órgãos. 

Angola Teixeira Cândido

Teixeira Cândido, secretário-geral do Sindicato dos Jornalistas Angolanos

"Ao contrário dos órgãos públicos já conhecidos, a linha editorial destes órgãos é muito mais plural. Pelo menos tem possibilitado mais vozes desconsoantes", lembra o secretário-geral do SJA.

"Os órgãos de comunicação social públicos nos últimos anos, fundamentalmente desde que o Presidente João Lourenço assumiu o poder, têm ensaiado também maior abertura. Não há comparação, esses órgãos de comunicação social que eram privados inicialmente, agora públicos vinham já tendo essa perspetiva, essa abertura. Essa pluralidade era maior nesses órgãos de comunicação social", conclui

Estado promete não interferir na linha editorial 

Na semana passada, Manuel Homem, ministro das Telecomunicações, Tecnologias de Informação e Comunicação Social, órgão que agora tutela o grupo, garantiu que o Estado não vai interferir na linha editorial destes órgãos. 

O secretário-geral do SJA espera que estes órgãos continuem a "manter esta postura plural" e insta os jornalistas que aí trabalham a serem os primeiros defensores da linha editorial. 

"Porque a postura destes órgãos contribui decisivamente para a cidadania. Esperamos que isso se concretize e que isso continue. Gostaríamos que os jornalistas destas casas fossem os primeiros defensores da liberdades de imprensa e da pluralidade destes órgãos", sublinha Teixeira Cândido.

TV Zimbo

Antenas do grupo Média Nova continuarão viradas para a pluralidade?

O regresso dos marimbondos?

Em março de 2018, um grupo de cidadãos manifestou-se em Luanda contra a proposta de lei de repatriamento de capital. Na ocasião, os manifestantes exibiram cartazes com dizeres como "ladrão não pode ser patrão". Volvidos dois anos, a DW África conversou com ativista Nuno Álvaro Dala, um dos organizadores deste protesto.  

Dala prevê dois futuros cenários no caso Média Nova: a manutenção dos órgãos na tutela do Estado e a sua privatização. Para o ativista, o segundo cenário é o mais provável. 

"E surge aqui o problema de quem acabará sendo o novo dono do grupo? E tudo indica que será um dos mesmos de sempre. Ou seja, os marimbondos que, como é evidente, não são só aqueles que (o Presidente) João Lourenço indicou, mas são todos os burgueses do MPLA porque, efetivamente nenhum deles, à data da independência, vinha de uma família burguesa", argumenta.

Há alguns empresários em Angola que conseguiram a sua fortuna de forma lícita. Mas Nuno Álvaro Dala não acredita que estes venham a ser os novos proprietários do grupo, até porque este grupo de empresários "é muito raro em Angola, para não dizer quase inexistente."

Assistir ao vídeo 00:32

Análises da DW chegam à TV Zimbo de Angola