″Angola enfrenta momento económico sem precedentes″, diz Banco Económico | Angola | DW | 05.04.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

"Angola enfrenta momento económico sem precedentes", diz Banco Económico

Num comunicado, o Banco Económico de Angola avalia que a queda dos preços do petróleo – a principal fonte de receitas do país – e a pandemia da Covid-19 colocam o país numa situação adversa.

A administração do Banco Económico de Angola considera que o país enfrenta "um momento económico adverso e sem precedentes". Os motivos para essas conclusões são a queda dos preços do petróleo e a pandemia da Covid-19, que têm acentuado a incerteza sobre a recuperação económica. 

"Angola atravessa um momento económico adverso e sem precedentes, justificado por fatores como a queda acentuada do preço do petróleo nas últimas semanas (mais de 70% desde o início do ano) com impacto direto na principal fonte de receitas do país, colocando uma pressão acrescida sobre as suas finanças públicas e posição líquida externa, em divisas", lê-se num comunicado do Banco Económico.

Assistir ao vídeo 03:52

Coronavírus muda rotina dos moçambicanos

O documento foi divulgado depois da colocação em revisão com perspetiva negativa do 'rating' desta instituição financeira pela Moody's.

A crise económica resulta também do "rápido alastramento da pandemia da Covid-19 e o seu imprevisível efeito sobre a atividade económica mundial, nomeadamente em termos do impacto das condições de crédito e de liquidez, que também se podem traduzir no previsível acréscimo do endividamento e pressão sobre a balança de pagamentos". 

A estes fatores, conclui a instituição financeira, "acresce a difícil visibilidade sobre o 'timing' e o ritmo da recuperação da economia mundial no período pós-Covid-19 e do preço do petróleo, numa conjuntura de forte redução da procura e de queda geral dos preços das matérias-primas". 

Perspetiva negativa

Esta semana, a Moody's colocou em revisão com perspetiva de descida o 'rating' de Angola e, consequentemente, o 'rating' dos três bancos que a agência de notação financeira segue no país: o Banco Angolano de Investimentos (BAI), o Banco de Fomento Angola (BFA) e o Banco Económico. "A Moody's estendeu esta medida de forma transversal ao setor bancário angolano", reagiu a administração do banco no comunicado. 

"Durante o período de revisão, a Moody's vai avaliar o impacto da degradação económica na qualidade dos ativos, na capitalização e na liquidez em moeda externa dos bancos, a resposta governamental ao choque – que servirá para aferir do 'rating' da República –, e qualquer mudança na disponibilidade do Governo para ajudar os bancos em necessidade", refere ainda no texto. 

A degradação do ambiente operacional dos bancos está intimamente ligada à queda do preço do petróleo, diz a Moody's, que reviu em baixa a estimativa do preço médio do barril para 40 a 45 dólares este ano e 50 a 55 dólares, em 2021. 

Leia mais