Angoche, o novo ″El Dorado″, atrairá a insurgência de Cabo Delgado? | Moçambique | DW | 12.01.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Angoche, o novo "El Dorado", atrairá a insurgência de Cabo Delgado?

Não há consenso: Uns entendem que não, que se trata de uma "ligação um pouco forçada" e sublinham enfraquecimento dos insurgentes como uma limitante. Outro diz que há o riscos de Angoche se tornar o novo palco de guerra.

Os primeiros furos de pesquisa de hidrocarbonetos em Angoche, província nortenha de Nampula, liderados pela petrolífera norte-americana Exxon Mobil, deverão estar concluídos este ano. Mas o otimismo em relação a um futuro melhor também vem acompanhado do receio da eclosão de um segundo foco de insurgência, à semelhança de Cabo Delgado, província também do norte de Moçambique.

Mas o sociólogo e especilsita em Estudos Africanos João Feijó entende que, em jeito de prevenção, pelo menos um passo adiante já foi dado: "Presume-se que existem hoje mais agentes de segurança no terreno, atentos e espalhados pela costa, o que poderá prevenir o alastramento da insurgência pela costa de Nampula". 

Mas o investigador alerta que "agora que esse risco existe, existe. E os próximos tempos dirão se haverá capacidade ou não de suster a insurgência".

"Ligação um pouco forçada neste momento"

Mosambik I Tausende Vertriebene fliehen vor den Angriffen in Cabo Delgado

João Feijó, sociólogo

A sustentar as desconfianças de alastramento dos ataques está o facto de Nampula ser zona de influência dos insurgentes. Por exemplo, comungam da religião dominante na província, o Islão, elemento de fácil manipulação. E isso fez da região um dos principais polos de recrutamento natural.

Mesmo assim, nem todos veem motivos para alarme, como é o caso da especialista em prevenção de extremismo violento Egna Sidumo: "Não acredito que haja uma ligação direta entre o novo "El dorado" com o extremismo violento ou possível alastramento de Cabo Delgado para Nampula. Em relação Angoche, acho que estamos a fazer uma ligação um pouco forçada neste momento".

"O local que me parece merecer maior atenção é Memba. Angoche está um pouco mais distante e está um pouco mais para o interior. Memba está mais próximo de Cabo Delgado e é área de maior recrutamento", adverte. 

Expansão a curto prazo não

Também o especialista em resolução de conflitos e políticas públicas Rufino Sitoe não prevê uma pulverização dos ataque armados para Angoche. Mas os seus argumentos têm fundamentação tático-militar:

Mosambik Binnenvertriebene aus Cabo Delgado

Os insurgentes têm morto a população de Cabo Delgado e destruído infraestruturas (foto de arquivo)

"Se calhar pelo rumo do combate e para onde os grupos se estão a deslocar a curto prazo, não é previsível para Angoche, porque eles estão a ir no sentido noroeste, Mecula. Estão com tendências de se dirigir para o interior. Sem contar que as regiões a sul são muito mais protegidas", entende. 

E destaca as fragilidades dos insurgentes: "E não nos esqueçamos que este grupo está a sofrer baixas e é a vítima até então. A não ser que se trate de algumas ações esporádicas, de algumas ações de terror que não envolvam essa componente de guerrilha, como tem estado a fazer nos últimos tempos".

"Estou a falar dos lobos solitários que atacam isoladamente. Mas com a metodologia que usam, acho pouco provável que isso aconteça agora", avalia.

Inclusão como medida imediata

Vários pesquisadores moçambicanos constataram que a insurgência no norte de Moçambique nasceu da exclusão social e, por isso, são a favor da criação de políticas de inclusão. E para atravancar os impactos do alastramento, o investigador João Feijó defende medidas imediatas mais ajustadas.

 "É preciso repensar o modelo de desenvolvimento. Que seja mais gerador de emprego, que apoie a criação de pequenos negócios, a formação de pequenos empresários, em termos financeiros e de gestão, com políticas económicas que depois também os protejam", enumera. 

Assistir ao vídeo 02:10

"Cabo Delgado também é Moçambique"

Leia mais