Alemanha defende criação de zona de segurança internacional na Síria | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 22.10.2019

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Alemanha defende criação de zona de segurança internacional na Síria

A atual situação na Síria "requer uma iniciativa europeia mais forte", afirmou, em entrevista à DW, a ministra da Defesa alemã, Annegret Kramp-Karrenbauer. Rússia e Turquia também deviam participar, diz.

Annegret Kramp-Karrenbauer im Interview zu Sicherheitszone in Syrien

Annegret Kramp-Karrenbauer, ministra da Defesa da Alemanha

A ministra da Defesa da Alemanha, Annegret Kramp-Karrenbauer, defendeu a criação de uma zona de segurança no norte da Síria controlada internacionalmente. Numa entrevista à DW, esta segunda-feira (21.10), a governante explicou que o estabelecimento desta zona seria feito em cooperação com a Turquia e com a Rússia.

"Esta zona de segurança teria como objetivo a luta contra o terrorismo e contra o Estado Islâmico, que está num impasse", desde que a ofensiva da Turquia no norte da Síria começou a semana passada. Segundo Annegret Kramp-Karrenbauer, a zona de segurança "também asseguraria a estabilidade da região para que a reconstrução da vida civil fosse possível, e para que aqueles que fugiram pudessem voltar voluntariamente", explicou.

A ideia seria que a proposta desta zona de segurança ficasse a cargo da Alemanha, Reino Unido e França, mas que fosse feita em colaboração com a Rússia e Turquia. "A Rússia é um dos atores mais importantes na Síria. Independentemente de gostarmos ou não disso, é um facto com o qual temos de lidar", frisou.

Segundo a ministra da Defesa da Alemanha, que é também a líder do partido União Democrata Cristã (CDU), a chanceler Angela Merkel já foi informada sobre esta recomendação. No entanto, para avançar, esta deve primeiro ser aprovada pelo governo no parlamento.

Syrische Flüchtlinge im Irak

Ofensiva turca no norte da Síria já fez, pelo menos 160 mil deslocados.

Para Annegret Kramp-Karrenbauer, "a Europa não pode simplesmente ser um espectador. Temos que fazer as nossas próprias recomendações e iniciar discussões", defende.

Na semana passada, Angela Merkel propôs uma cimeira com a França, o Reino Unido e a Turquia para discutir a situação no norte da Síria. Desde que teve início, a 9 de outubro, a ofensiva da Turquia neste território já provocou o deslocamento de, pelo menos, 160 mil pessoas.

Zona de segurança de 120 quilómetros

Também, esta segunda-feira (21.10), a Turquia revelou que vai instalar uma "zona de segurança" de 120 quilómetros de comprimento no nordeste da Síria após a retirada das forças curdas.

A ofensiva da Turquia no nordeste da Síria foi suspensa no final da semana passada, na sequência de uma frágil trégua negociada entre turcos e norte-americanos que expira esta terça-feira (22.10).

No domingo, as Forças Democráticas da Síria, dominadas por combatentes curdos, começaram a sua retirada da cidade Ras al-Ain, no norte da Síria, cumprindo assim a sua parte do acordo.

Leia mais