Acordo entre EUA e União Europeia para reduzir dependência do gás russo | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 25.03.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Acordo entre EUA e União Europeia para reduzir dependência do gás russo

Os Estados Unidos e a União Europeia (UE) anunciaram hoje, em Bruxelas, um plano para fornecer à Europa mais gás natural liquefeito dos EUA, para reduzir a dependência energética do bloco em relação à Rússia.

Joe Biden e Ursula von der Leyen em Bruxelas

Joe Biden e Ursula von der Leyen em Bruxelas

Ao abrigo deste novo acordo, os EUA pretendem aumentar as suas exportações de gás natural liquefeito (GNL) para a Europa em 15 mil milhões de metros cúbicos este ano.

Um plano apresentado esta sexta-feira (25.03), em Bruxelas, pelo Presidente norte-americano, Joe Biden, à presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, no segundo dia da cimeira dos Chefes de Estado e de Governo do bloco.

"Estamos a unir esforços para reduzir a dependência da Europa do gás russo", disse Biden, numa conferência de imprensa conjunta. "Não devemos subsidiar o ataque brutal de Putin à Ucrânia", sublinhou o Presidente dos EUA.

Ursula on der Leyen classificou o acordo como "um grande passo" para acabar com a dependência de Moscovo em relação à energia.

Embora a iniciativa provavelmente exiga novas instalações para a importação de gás natural liquefeito, a parceria entre UE e EUA também pretende reduzir a dependência dos combustíveis fósseis a longo prazo, através de mais eficiência energética e de fontes alternativas de energia, explicou Joe Biden.

Gasoduto Nordstream 2, destinado ao transporte de gás russo para a Alemanha

Gasoduto Nordstream 2, destinado ao transporte de gás russo para a Alemanha

Berlim anuncia redução de importações russas

A Alemanha também anunciou hoje que vai reduzir de forma rápida e significativa a dependência em relação à energia da Rússia e prevendo para já uma grande diminuição na importação de petróleo e carvão até ao próximo outono.

"Até o meio do ano, as importações russas de petróleo para a Alemanha devem baixar para metade e queremos uma quase independência até ao final do ano", indica um comunicado do Ministério da Economia.

"Até o outono podemos tornar-nos totalmente independentes do carvão russo", indica o mesmo documento, acrescentando que em relação ao gás, a Alemanha pode ficar 'bastante' independente em meados de 2024".

A medida é uma consequência da última invasão da Ucrânia iniciada no dia 24 de fevereiro, que causou, entre a população civil, mais de 1.000 mortos e mais de 1.500 feridos.

Assistir ao vídeo 02:56

Pode surgir de África a solução para a crise do gás na Europa?

Leia mais