África continua na fila de espera de acesso às vacinas contra Covid-19 | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 03.02.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

África continua na fila de espera de acesso às vacinas contra Covid-19

Mais de metade das vacinas mais promissoras para o combate à Covid-19 já foram compradas pelos países mais ricos, representando apenas 14% da população mundial. África está no fim da fila. Quem pode lucrar é a China.

Num estudo apresentado em dezembro, a rede de ONG The People's Vaccine Alliance, que congrega organizações de defesa dos direitos humanos como a Amnistia Internacional e a Oxfam, considera que cerca de 70 países em desenvolvimento só poderão vacinar uma em cada 10 pessoas este ano, com destaque para o continente africano.

Até agora, África encomendou previamente cerca de 900 milhões de doses. A consultora Economist Intelligence Unit (EIU) acredita que as vacinas não estarão disponíveis na maioria dos países africanos até abril de 2022, na melhor das hipóteses.

A Agência Africana de Controlo das Doenças (CDC) prevê que o continente precisará de pelo menos 1,5 mil milhões de doses para vacinar 60% da população.

A iniciativa COVAX espera entregar até ao fim deste ano, pelo menos 1,3 mil milhões de doses a 92 países de baixo rendimento, incluindo o continente africano. 

"Não queremos ser sempre os últimos"

A situação está a causar muita frustração. "Precisamos de ser independentes como continente e como país quando se trata de vacinas e produtos farmacêuticos. É uma tolice confiar nas nações ocidentais para questões médicas. Não queremos ser sempre os últimos em que pensam", defende o ministro da Saúde do Quénia, Mutahi Kagwe.

Assistir ao vídeo 02:18

Covid-19: Regras mais apertadas nos bancos da África do Sul

Em entrevista à DW, a ex-ministra da Saúde do Ruanda, Agnes Binagwaho, lança um forte apelo ao ocidente: "Sejam honestos e digam: 'O meu povo primeiro'. Não nos mintam e digam que somos iguais."

Alguns países africanos estão, portanto, à procura de alternativas. As ilhas Seychelles já administram a vacina Sinopharm, de fabrico chinês, enquanto a Guiné optou pela vacina russa Sputnik V. O Quénia também está interessado na vacina chinesa. "Mas a questão é: quem tem a vacina para vender em primeiro lugar? A Europa comprou tudo", lembra o ministro Mutahi Kagwe.

Chegada das primeiras doses

A África do Sul recebeu um milhão de doses da AstraZeneca na Índia esta semana. O Ruanda encomendou um milhão às empresas farmacêuticas norte-americanas Pfizer e Moderna, devendo o primeiro carregamento chegar antes do final de fevereiro. E o Uganda espera as suas primeiras doses de Moderna, Pfizer e AstraZeneca em abril.

De acordo com a rede de ONG The People's Vaccine Alliance, da vacina produzida pela Pfizer, os países ricos já encomendaram 96% das cerca de 1,128 mil milhões doses que o consórcio se compromete a produzir, e apenas 4% está disponível para os mais pobres, isto é, 54 milhões.

Südafrika Cornavirus Ankunft Impfstoff

Chegadas das primeiras vacinas à África do Sul

Eric Olander, fundador da plataforma de informação "Projeto China-África", defende que o continente africano deve procurar alternativas às vacinas da Pfizer. "Estas vacinas não foram feitas para países em desenvolvimento, precisam de ser congeladas. Estas vacinas são em muitos aspectos inúteis para a maioria dos países em desenvolvimento, onde não existe a infraestrutura necessária para as armazenar", justifica.

China e Rússia atentas a África

A China e a Rússia estão atentas ao contexto africano. Os dois países garantem que as suas vacinas já estão disponíveis e podem ser armazenadas no frigorífico sem complicações.

Em maio do ano passado, o Presidente da China, Xi Jinping, prometeu que tornaria as vacinas chinesas contra a Covid-19 disponíveis para o hemisfério sul.

China | Xi Jinpings Ansprache zum Online-Weltwirtschaftforum Davos

Presidente da China, Xi Jinping, prometeu vacinas para África

"A Europa e a América estão a concentrar-se neles próprios e a China interveio e investiu muito para entrar no mercado africano de vacinação. Embora a UE tenha dado muito dinheiro à Organização Mundial de Saúde (OMS) para assegurar a vacinação para os países africanos, a China já estava pronta para a distribuição", observa o académico Robert Kappel, da Universidade de Leipzig, na Alemanha.

Poderá, assim, aumentar a influência da China em África. Há anos que a China e os países ocidentais competem por mais influência política e económica em África. A China tem financiado muitos projetos em vários países africanos.

Os Estados ocidentais, por outro lado, acusam a República Popular da China de estar principalmente interessada nos recursos minerais do continente. Também tem havido um ressentimento crescente em alguns países africanos em relação à influência chinesa nos últimos anos. Algo que agora pode mudar. "Se a China conseguir administrar vacinas e salvar uma grande percentagem de africanos, acha que irão ver a China de forma negativa?", pergunta Agnes Binagwaho, ex-ministra da Saúde do Ruanda.

África lembrar-se-á da pandemia no futuro, em benefício da China, acredita Eric Olander. "Os europeus voltarão um dia a África e dirão: 'Somos um parceiro melhor do que os chineses'. E os africanos dirão: "Onde estavam quando precisámos de vós?"

Assistir ao vídeo 05:12

Vacinas contra Covid-19: A política do "quem dá mais"?

Leia mais