Quatro países africanos na lista de conflitos mais letais | NOTÍCIAS | DW | 10.05.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Quatro países africanos na lista de conflitos mais letais

Somália, Sudão, Sudão do Sul e Nigéria estão no ranking dos 10 conflitos armados mais letais do mundo em 2016, liderado pela Síria, onde a guerra já matou 50 mil pessoas, revela o Instituto de Estudos Estratégicos.

default

Soldados sul-sudaneses em patrulha na cidade de Malakal (2016)

A África Subsaariana é a região que regista os conflitos armados mais letais no continente africano, de acordo com o relatório anual divulgado terça-feira (09.05) pelo Instituto de Estudos Estratégicos (IISS), organização com sede em Londres.

Ainda assim, o número de mortes na região diminuiu de 24 mil, em 2015, para 14 mil em 2016. Segundo a editora Anastasia Voronkova, parte desta redução deve-se ao combate do grupo extremista Boko Haram pelo Exército da Nigéria.

Ouvir o áudio 03:34
Ao vivo agora
03:34 min

Quatro países africanos na lista de conflitos mais letais

No entanto, segundo a investigadora, são necessários mais esforços para combater o Boko Haram, que continua "bastante forte e capaz de realizar ataques noturnos, ataques suicidas isolados, que continuam a ser registados na bacia do lago Chade e  em alguns territórios na Nigéria".

Recentemente, o Exército nigeriano reconquistou áreas no nordeste do país que antes eram dominadas pelo Boko Haram. A população está a regressar a essas áreas.

Porém, o risco permanece, afirma Voronkova. "Apesar de as forças de segurança terem expulsado o grupo de várias áreas, também tiveram dificuldade em manter os ganhos de 2015", lembra.

Problemas de governação

A contínua debilidade do Estado e a falta de legitimidade das instituições estatais são apontadas pela pesquisa como os principais motivos para que os conflitos armados continuem a assolar a população em África.

Segundo Anastasia Voronkova, os problemas de governação também prejudicam a atividade dos atores internacionais nesses países, como as missões de paz da Organização das Nações Unidas (ONU).

"Estamos a ver uma presença muito fraca das instituições do Estado na Somália, na República Centro-Africana, na República Democrática do Congo e, em grande medida, no Sul do Sudão, e é muito difícil para os atores internacionais fazerem algo substancial na ausência de legitimidade do Estado para a população local", diz.

Das 16 missões da ONU designadas para a manutenção da paz em diferentes nações do mundo, nove estão em África, onde enfrentam problemas como o aumento de grupo armados e falta de apoio da população local.

 

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados