Proibição da venda de marfim na China ′não chega′ | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 12.01.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Proibição da venda de marfim na China 'não chega'

Ambientalista da WWF diz que a proibição do comércio de marfim na China é um "marco para a conservação dos elefantes em África". Mas será preciso fazer mais para travar os caçadores furtivos.

Para Arnulf Köhncke, especialista em conservação da vida selvagem do Fundo Mundial para a Natureza (WWF, na sigla em inglês), o anúncio da proibição de todo o comércio e transformação de marfim, na China, até ao final de 2017 é um "marco" e uma "grande oportunidade" para travar a caça furtiva.

A China é um dos maiores consumidores mundiais de marfim. Todos os anos, 20 mil elefantes são mortos por caçadores furtivos em África.

Mas a proibição, por si só, "não vai parar o comércio ilegal de marfim" se a procura continuar, alerta o especialista.

Ouvir o áudio 03:04
Ao vivo agora
03:04 min

Proibição da venda de marfim na China 'não chega'

Aumentar a consciencialização

Köhncke diz que "é importante que o Governo chinês continue a esforçar-se para diminuir a procura de marfim, para aumentar a consciencialização pública e a conservação, na China e em África", para "acabar com o comércio ilegal de marfim."

Para Arnulf Köhncke, a luta contra a procura de marfim, particularmente em países asiáticos como a China, a Tailândia e o Vietname, deve igualmente ser uma causa mundial.

No continente africano, esse combate passa por reforçar a legislação e melhorar o controlo alfandegário e nas fronteiras, segundo o especialista da WWF. Outro fator fundamental é, argumenta, "a luta contra a corrupção, porque a corrupção pode impedir o cumprimento da lei."

Apesar da proibição da venda de marfim até ao final do ano, a China vai permitir a venda de antiguidades em marfim, desde que identificadas e com origem em fontes legítimas, de acordo com o Conselho de Estado chinês.

Segundo o Fundo Mundial para a Natureza, restam apenas 420 mil elefantes em África.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados

  • Data 12.01.2017
  • Autoria Marta Melo