Presidente da Guiné-Bissau acusa Alpha Condé de ″estar a tentar um golpe″ | Guiné-Bissau | DW | 10.10.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

Presidente da Guiné-Bissau acusa Alpha Condé de "estar a tentar um golpe"

Presidente guineense prometeu que Portugal será um parceiro privilegiado da CEDEAO quando assumir a presidência em exercício da organização. Sissoco promete falar com os dois ativistas torturados na presidência

"Penso que é muito positiva a minha vinda para Portugal, porque Portugal é a porta de entrada na União Europeia e é para mostrar que somos dois povos condenados a andarem juntos", afirmou Umaro Sissoco Embaló, numa conferência de imprensa em Lisboa de balanço da visita de Estado a Portugal que terminou na sexta-feira (09.10).

Na visita, Sissoco Embaló acordou com o primeiro-ministro português, António Costa, a visita do chefe de Governo de Lisboa a Bissau, que já está definida "para novembro”.

Na sua opinião, as crises políticas na Guiné-Bissau são já coisas do passado e "havia uma interpretação errada da comunidade internacional" que está a mudar.

Para tal, a Guiné-Bissau quer aumentar a sua presença na sub-região, colocando-se como elemento de ligação entre o espaço lusófono e a CEDEAO, que tem uma maioria de países anglófonos e francófonos.

"A dimensão da Guiné-Bissau junto do espaço da CEDEAO não é a mesma [como] há 20 anos” e "Cabo verde também tem as suas influências na zona e é um membro ativo" na organização, afirmou.

"Quem manda é o Presidente da República"

"Nós juntos podemos ser porta-vozes de Portugal na CEDEAO", afirmou Sissoco Embaló, acrescentando que tem um acordo com os parceiros vizinhos para assumir a presidência em exercício da organização.

O Presidente da Guiné-Bissau explicou que "será a primeira vez que um país lusófono vai presidir à CEDEAO", sucedendo ao Gana, e admitiu que esta nomeação é também "uma forma de prestígio" para o país.

"A Guiné é um país virgem para investimento", afirmou Sissoco Embaló, salientando que o que falta fazer depende da estabilidade no país.

Umaro Sissoco Embaló I Präsident von Guinea-Bissau und Marcelo Rebelo de Sousa Präsident von Portugal

Sissoco Embaló terminou visita de Estado a Portugal na sexta-feira

"Para haver infraestruturas é preciso estabilidade” e o "investimento vem com a credibilidade" e "hoje todas as instituições estão a funcionar plenamente", afirmou.

Mas há "regras e quem manda é o Presidente da República", avisou Sissoco Embaló.

Alpha Condé tenta "golpe de Estado"

Nas declarações aos jornalistas, Umaro Sissoco Embaló afirmou-se amigo do Senegal, com quem quer renegociar o acordo sobre a gestão dos hidrocarbonetos na área conjunta, e voltou a criticar o Presidente da vizinha Guiné-Conacri, Alpha Condé, acusando-o de "estar a tentar um golpe" ao forçar um terceiro mandato.

Antigo membro histórico da oposição, Condé, agora com 82 anos, tornou-se, em 2010, o primeiro Presidente eleito democraticamente na Guiné-Conacri, tendo sido reeleito em 2015.

Um referendo votado em março aprovou uma nova Constituição que mantém o limite de dois mandatos presidenciais, mas Condé e os seus apoiantes consideram que esta mudança repõe a zero o número de mandatos cumpridos pelo ainda Presidente. Por outro lado, os opositores acusam Condé de realizar um "golpe de Estado constitucional”.

Perdão da dívida e tráfico de droga

Na visita a Portugal, Sissoco Embaló discutiu com o Governo português o perdão de dívida e o apoio de Lisboa a projetos locais, como a certificação das infraestruturas que irão permitir o processamento do peixe capturado nas águas guineenses.

A discussão sobre a dívida está a ser feita também com outras organizações internacionais, como o Fundo Monetário Internacional, e países como a China, o maior credor do país.

Na conferência de imprensa, o chefe de Estado guineense alegou que o país já não é um palco de circulação de droga como no passado, considerando que o "Estado estava quase no chão”, sem meios para lidar com o problema.

"A corrupção e narcotráfico são coronavírus políticos", considerou, minimizando a substituição que foi promovida de elementos das autoridades criminais. "Para mim, não há ninguém minimamente insubstituível", justificou, embora salientando que o fenómeno da droga nunca foi tão grave como os observadores internacionais apontavam.

"Falávamos da Guiné-Bissau como se fosse a Colômbia ou a Venezuela”, disse.

Nova Constituição

Umaro Sissoco Embaló voltou a defender uma Constituiçãode pendor mais presidencialista, recordando que a Guiné-Bissau dá um protagonismo maior ao Presidente a República do que Portugal ou Cabo Verde, na nomeação de figuras do Estado ou na presidência do Conselho de Ministros.

Mas "não estou como um Kim Jong-un", numa referência ao líder norte-coreano, considerando que a centralização de poder permite combater a instabilidade política.

Ativistas torturados na Presidência

Guinea-Bissau | Queba Sané politischer Aktivist

"Foram mais de 30 minutos de chicotadas, eu levei 56 chicotadas", recordou um dos ativistas.

Umaro Sissoco Embaló, prometeu ainda que irá falar pessoalmente com os dois ativistas que alegam ser vítimas de tortura por parte de elementos da segurança presidencial.

"Haverá consequências, porque os dois jovens são da minha confiança. Considero-os como meus filhos, fizeram campanha para mim diretamente e são jovens do MADEM—G15” (Movimento para a Alternância Democrática), afirmou Umaro Sissoco Embaló.

Para o Presidente guineense, este caso está a ser alvo de "um aproveitamento político porque lamentavelmente os jovens são jovens do MADEM".

Mas eu "ainda sou um dos vice-presidentes do MADEM", recordou o governante, mostrando-se pessoalmente empenhado no caso.

"Eu é que dei a instrução ao procurador-geral da República e à Polícia Judiciária” para investigar o caso e, na próxima semana, "vou mesmo falar com eles, porque eu os considero como meus filhos”, disse o chefe de Estado, que estende esta preocupação sobre a violência a outros casos, que envolveram ataques a um deputado e a um dirigente do Partido Africano para a Independência da Guiné-Bissau (PAIGC, na oposição).

Augusto Mário da Silva.

Augusto Mário da Silva, presidente da Liga Guineense dos Direitos Humanos

Na sexta-feira (10.10), os dois ativistasestiveram numa conferência de imprensa onde fizeram a denúncia contra elementos das forças de segurança do Presidente, alegando que foram espancados e acusados de terem feito perfis falsos para atacar a ministra dos Negócios Estrangeiros, Suzi Barbosa.

"Fomos humilhados"

Em conferência de imprensa, na presença da Liga Guineense dos Direitos Humanos, os ativistas Carlos Sambú e Queba Sani (R.Kelly), disseram que foram raptados no bairro da Ajuda, na capital guineense e levados para a Presidência da República.

"Seguimos justamente para o símbolo do poder do nosso país, o Palácio da República (...). Estava um grupo de cinco pessoas, supostamente do batalhão da Presidência e esses todos, com galhos, com fios de eletricidade, mandaram-nos deitar no chão. Foram mais de 30 minutos de chicotadas, eu levei 56 chicotadas", recordou Carlos Sambú.

"Fomos humilhados, filmados, tiraram-nos as roupas, mandaram-nos para o carro como se fôssemos porcos e depois fomos para o Ministério do Interior", onde foram libertados, "sem nota de culpa e com uma desculpa do ministro do Interior”, disse o ativista, que é o coordenador da página do Facebook ‘Estamos a Trabalhar', que apoia o atual governo no poder na Guiné-Bissau, e militante do MADEM-G15.

 

Assistir ao vídeo 02:44

Guiné-Bissau: "Se Aristides Gomes sair da ONU corre o risco de ser assassinado"