Polícia moçambicana anuncia morte de Mariano Nhongo | Moçambique | DW | 11.10.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Polícia moçambicana anuncia morte de Mariano Nhongo

A polícia moçambicana matou esta segunda-feira Mariano Nhongo, líder de um grupo de guerrilheiros dissidentes da Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO), anunciou o comandante-geral da corporação, Bernardino Rafael.

Mariano Nhongo foi morto esta segunda-feira (11.10) pelas 05h00 (GMT) numa mata do distrito de Cheringoma, província de Sofala, centro do país, durante uma troca de tiros com uma patrulha da polícia moçambicana, anunciou Bernardino Rafael, comandante-geral da Polícia da República de Moçambique (PRM), em declarações aos jornalistas em Maputo. 

"As Forças de Defesa e Segurança (FDS) estavam em operações na região centro, o que resultou na morte de Mariano Nhongo, o líder da Junta Militar, e um dos seus seguidores mais próximos", afirmou.

"Recuperámos seis armas, uma pistola, 95 balas e uma [metralhadora] AK47", acrescentou.

Mosambik Mirko Manzoni, UN-Gesandter

Mirko Manzoni, enviado especial do secretário-geral da ONU em Moçambique

O enviado especial do secretário-geral das Nações Unidas (UNSG), Mirko Manzoni, já reagiu à morte do líder guerrilheiro e fez saber numa nota divulgada à imprensa que a sua missão esperava que "a situação tivesse sido resolvida de forma pacífica".

"Embora este seja um fim lamentável para a situação, reconhecemos os consideráveis esforços do Governo no sentido de recorrer a meios pacíficos para devolver a estabilidade à zona centro de Moçambique", lê-se no comunicado.

"Foram repetidamente abertas oportunidades para utilizar o diálogo em vez da violência, no entanto estas revelaram-se infrutíferas. Neste momento, o nosso pensamento está com o povo moçambicano, em particular o da zona centro, e reiteramos o nosso compromisso de apoiar os esforços destinados a trazer uma paz definitiva ao país", refere.

Mirko Manzoni escreve ainda que "este acontecimento não nos dissuadirá na busca pela paz, devendo servir para nos juntarmos e redirecionarmos esforços com vista a permitir que os restantes combatentes se juntem ao processo de DDR e a uma vida de paz".

Apelos para a paz devem continuar, diz Chissano

O ex-presidente moçambicano Joaquim Chissano disse também esta segunda-feira que os apelos para a paz no centro de Moçambique devem continuar, defendendo esforços para evitar que outros guerrilheiros sigam o caminho de Mariano Nhongo, líder dissidente abatido pelas forças governamentais. 

"Os apelos devem continuar. Se soubermos que há alguém que quer tomar as redes de Nhongo e continuar a fazer o que eles faziam, estes apelos devem ser dirigidos a estas pessoas" e "os esforços para evitar [o mesmo problema] devem continuar", disse Joaquim Chissano, reagindo à morte de Nhongo. 

"Nunca desejei a morte de ninguém, mas o povo tem de ser defendido. E quando se defende [o povo] pode surgir um choque com o inimigo", declarou o antigo chefe de Estado moçambicano, acrescentando que houve sempre espaço para que Nhongo optasse pelo diálogo. "Sempre tivemos a esperança de que ir-se-ia encontrar uma solução", frisou o antigo Presidente, manifestando-se também solidário com a família de Mariano Nhongo. 

Novo recomeço?

No Twitter, Piers Pigou, analista do International Crisis Group, questiona se a morte de Nhongo será "uma oportunidade" para consolidar o processo inacabado da Desmobilização, Desarmamento e Reintegração (DDR) dos ex-guerrilheiros da Resistência Nacional Moçambicana.

O grupo de antigos guerrilheiros que era liderado por Nhongo tem contestado a liderança da Renamo e os termos do processo de DDR decorrentes do acordo de paz de agosto de 2019.  A autoproclamada Junta Militar da Renamo tem protagonizado desde então ataques armados no centro de Moçambique que já provocaram a morte de 30 pessoas. 

Durante as celebrações do Dia da Paz em Moçambique, há uma semana, o Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, prometeu-lhe a integração no processo de DDR, numa altura em que as forças governamentais reforçavam as suas operações no centro de Moçambique, mas não houve resposta.

 No âmbito do DDR decorrente do acordo de paz de agosto de 2019, um total de 2.307 ex-combatentes da Renamo já foram para casa, de uma meta de cerca de cinco mil antigos guerrilheiros.

Assistir ao vídeo 02:52

Moçambique: Desmobilizados da RENAMO vivem com medo

Leia mais