Polícia diz que não mede esforços para acabar com ataques em Mocímboa da Praia | Moçambique | DW | 27.12.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Polícia diz que não mede esforços para acabar com ataques em Mocímboa da Praia

Segundo a PRM, ataques armados estariam a abrandar nos últimos dias. Efetivos foram reforçados a todos os níveis e caça aos atacantes continua. População local reconhece alguma calma, mas medo permanece.

default

Sede do Governo distrital de Mocímboa da Praia, Moçambique

No dia 5 de outubro, no distrito de Mocímboa da Praia, província nortenha de Cabo Delgado, tiveram início os ataques de pessoas não devidamente identificadas contra unidades policiais e líderes tradicionais.

Na mesma madrugada, foram tacados o Comando da Polícia de Mocímboa da Praia, o Quinto Regimento da Polícia de Fronteira, o Posto Policial de Awasse e o acampamento da Polícia de Proteção de Recursos Naturais.

As primeiras alegacões eram, entre outras, a inoperância das mesmas autoridades no combate à criminalidade. 

Desde então, os ataques não pararam, embora aconteçam agora com menos intensidade e frequência, como confirma à DW África, em anonimato, um residente de Mocímboa da Praia.

"Ainda, na vila, continuava [até ontem] calma. Só a intensidade [disparos] era muito mais nas periferias, nas zonas bem localizadas. Na altura, estava assim. Agora, não sei e não posso detalhar mais", diz.

Ordem e tranquilidade

Mosambik Mocímboa da Praia (DW/G. Sousa)

A vila de Mocímboa da Praia

Também a Polícia da República de Moçambique (PRM) reconhece a existência de focos de ataques, mas esclarece que eles já não têm a dimensão da primeira ofensiva.

Inácio Dina, porta-voz do Comando Geral da Polícia, garante que “houve uma e outra renitência, mas foram colocadas imediatamente fora de ação, [tendo os autores sido] neutralizados e entregues para a responsabilização”.

Inácio Dina confirma o retorno da ordem e tranquilidade públicas em Mocímboa da Praia.

"A população está a retomar as suas atividades normalmente. O que nós queremos é encorajar que continuem a exercer as suas atividades e a aprimorar as medidas de vigilância. Porque esses indivíduos, em algum momento, foram vistos a circular - a nível das aldeias, comunidades - e o nosso apelo é: Sempre que avistarem alguém estranho, comuniquem as autoridades para averiguar", apela.

Ouvir o áudio 03:32
Ao vivo agora
03:32 min

Polícia diz que não mede esforços para acabar com ataques em Mocímboa da Praia

Mas, mesmo assim, ainda continuam a haver mortes em Mocímboa da Praia. Há duas semanas, mesmo depois da visita do comandante-geral da Policia da República de Moçambique, num novo ataque os malfeitores alvejaram mortalmente o diretor nacional de Reconhecimento da Unidade de Intervenção Rápida.

"Infelizmente, neste processo de reprodução da ordem e tranquilidade, na troca de tiros, foi alvejado o colega e, na sequência, acabou perdendo a vida", confirma o porta-voz do Comando Geral da Polícia.

Inácio Dina diz que a Policia não medirá esforços para pôr termo à violência.

"Nós olhamos isso como consequência dessa ação inimiga e é mais que prova que são indivíduos terroristas que não têm mão a medir para opôr-se, para enfrentar agentes da autoridade. Por isso que a caça a esses mesmos homens não tem mão a medir e estamos comprometidos em colocar-lhes fora do combate a qualquer dimensão", avalia.

Desde o início dos ataques, a policia afirma que deteve mais de 300 supostos atacantes, em Mocímboa da Praia. Mas, parte deles foram soltos por falta de provas.  

Recorde-se que o comandante-geral da Polícia de Moçambique, Berdino Rafael, deu um prazo de uma semana para que os atacantes se apresentassem às autoridades, caso contrário, seriam considerados terroristas e inimigos do Estado.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados