Oposição indignada após suspensão do Twitter na Nigéria | NOTÍCIAS | DW | 06.06.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Oposição indignada após suspensão do Twitter na Nigéria

União Europeia (UE), Grã-Bretanha, Estados Unidos e Canadá também lamentaram a suspensão no país africano. Nigéria suspendeu acesso ao Twitter no país, após rede social eliminar um tweet do Presidente Muhammadu Buhari.

Social Media-Nutzung in Afrika

Cidadã nigeriana acessa o Twitter pelo telemóvel (foto de arquivo).

Para a maioria das pessoas na Nigéria, o acesso ao serviço de mensagens curtas Twitter está bloqueado desde a manhã de sábado (05.06). Quem tentar contornar o bloqueio do Governo no Twitter deverá enfrentar uma ação judicial imediata, anunciou o ministro da Justiça nigeriano.

O Governo deste país de mais de 200 milhões de pessoas tinha surpreendentemente anunciado o bloqueio na sexta-feira (04.06) à noite, sem dar uma razão concreta. 

Na quarta-feira (02.06), o Twitter tinha eliminado um tweet controverso do Presidente Muhammadu Buhari sobre o a guerra civil nigeriana e suspendeu a conta do chefe de estado durante doze horas.

Decisão "decepcionante"

A decisão de apagar o tweet foi "decepcionante" mas não foi a única razão para a suspensão a nível nacional, disse o Presidente da maior democracia de África no Facebook no sábado (05.06) à noite.

O Twitter, disse ele, estava a espalhar desinformação e notícias falsas que por vezes levavam a consequências violentas na Nigéria, sem que a plataforma fosse responsabilizada. Buhari sugeriu que a suspensão seria temporária, mas não deu uma data para um possível fim. A mudança suscitou críticas ferozes tanto no país como no estrangeiro. 

Muitos utilizadores acusaram o Governo de agir contra a liberdade de expressão no país. Organizações não-governamentais, incluindo a Ordem dos Advogados da Nigéria, anunciaram uma ação legal se o bloqueio se mantiver em vigor.

A própria rede social Twitter anunciou, através de um tweet, que estava "muito preocupada" com o bloqueio. O acesso a uma internet livre, disseram, é um direito central numa sociedade moderna. Acrescentaram que seriam feitos esforços para restaurar o acesso de todos aqueles na Nigéria que quisessem comunicar com o resto do mundo através do Twitter.

Muhammadu Buhari, Präsident von Nigeria

O Presidente nigeriano, Muhammadu Buhari.

"Desapontamento"

A União Europeia, os Estados Unidos, o Canadá e a Grã-Bretanha expressaram o seu desapontamento numa declaração conjunta no sábado. O bloqueio das plataformas de liberdade de expressão "não era a resposta", disseram.

Apesar das possíveis consequências legais, muitos nigerianos obtiveram acesso ao Twitter através de ligações VPN e desabafaram o seu descontentamento.

"Eu vou publicar o meu tweet na Nigéria, que venham cá e prendam-me", escreveu o ativista dos direitos humanos Deji Adeyanju sobre o serviço de mensagens curtas. Ele disse que estava pronto para ir para à prisão por isso.

O uso do Twitter é muito popular na Nigéria. No último ano, jovens nigerianos tinham utilizado repetidamente a plataforma para organizar protestos contra a violência policial.

Um membro do Governo nigeriano chegou a acusar o CEO do Twitter, Jack Dorsey, que tinha expressado simpatia para com os manifestantes, de também financiá-los.

Leia mais