Nyusi pede ajuda para encontrar autores dos ataques em Cabo Delgado | Moçambique | DW | 11.02.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Nyusi pede ajuda para encontrar autores dos ataques em Cabo Delgado

O Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, pede o apoio da população para encontrar os autores dos ataques, que já fizeram mais de 350 mortos. Governo reuniu-se esta terça-feira na província de Cabo Delgado.

O Governo moçambicano admite que tem sido difícil identificar os autores dos ataques armados no norte do país, mas pede apoio à população. Durante um comício popular em Pemba, esta terça-feira (11.02), o Presidente Filipe Nyusi solicitou aos cidadãos que denunciem quem está por trás dos ataques.

"Fomos instruídos para ficarmos atentos, para apanharmos essas pessoas. Esses jovens que estão a ser recrutados, se quiserem viver bem neste país, é questão de nos dizerem [quem] é aquele ali que mandou e disse que vai dar isto e isto", afirmou o chefe de Estado.

Nyusi voltou a atribuir a violência a entidades estrangeiras, embora não exclua a participação de moçambicanos: "É uma guerra movida por pessoas de fora, pessoas que têm dinheiro", afirmou o chefe de Estado. "Não sabemos de onde é que levam esse dinheiro para matar os moçambicanos. Se calhar até é dinheiro dos próprios moçambicanos que mata os moçambicanos."

Que soluções?

A situação de insegurança em alguns distritos da província de Cabo Delgado foi um dos temas que marcou a reunião do Conselho de Ministros em Pemba, esta terça-feira.

Helena Mateus Kida, Justizminister von Mosambik

Helena Mateus Kida: "Depois da auscultação, o Governo estará em condições de deliberar as melhores estratégias"

No final dos trabalhos, a porta-voz do encontro, Helena Mateus Kida, prometeu que o Governo vai "continuar a trabalhar na identificação dos insurgentes".

Contudo, em declarações aos jornalistas no final do Conselho de Ministros, a também ministra da Justiça e Assuntos Constitucionais e Religiosos não entrou em detalhes sobre possíveis soluções.

"Sobre a situação de segurança na província de Cabo Delgado, principalmente na zona norte, o que foi feito na sessão foi auscultar a população, as pessoas influentes, o governo distrital e o próprio governo provincial para que o Governo possa responder com ações para trazer soluções para esta situação de instabilidade na província de Cabo Delgado", disse Kida.

"Depois da auscultação, o Governo estará em condições de deliberar as melhores estratégias e encontrar soluções efetivas para essa situação de intranquilidade", assegurou.

Os ataques em Cabo Delgado ocorrem desde 2017. Segundo dados do Governo, cerca de 32 mil famílias foram obrigadas a fugir das suas casas por causa da violência e precisam de ajuda.

Ouvir o áudio 02:57

Nyusi pede ajuda para encontrar autores dos ataques no norte

Problemas na educação e reconstrução

Outro dos temas em debate no Conselho de Ministros foram os efeitos da época chuvosa no país, em particular na província de Cabo Delgado.

Várias infraestruturas ficaram destruídas, incluindo pontes e estradas. Mas, segundo o ministro das Obras Públicas, Habitação e Recursos Hídricos, João Machatine, algumas obras de reconstrução estão comprometidas por causa dos ataques.

"Na ponte sobre o rio Messalo, [as obras] tiveram interrupções devido à situação dos insurgentes e daí já um trabalho que está sendo feito para convencer aos nossos parceiros a retomarem com a construção dessas três pontes", disse Machatine. "Enquanto isso não acontece, nós iremos já [fazer] o lançamento de uma ponte metálica provisória para se poder aceder à zona norte da província."

Os ataques no norte de Moçambique também têm impedido muitas crianças de ir à escola. Ao todo, mais de 30 mil alunos e 700 professores precisam de abrigo, segundo a ministra da Educação e Desenvolvimento Humano, Carmelita Namashulua.

"Por causa da ação dos malfeitores, as nossas crianças têm sido ciclicamente instrumentalizadas", sublinhou Namashulua.

Leia mais