Moçambique: Secretário-geral do MDM admite concorrer à presidência do partido | Moçambique | DW | 20.07.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Moçambique: Secretário-geral do MDM admite concorrer à presidência do partido

Membros do MDM anunciaram apoio total ao atual secretário-geral daquela força política, José Domingos Manuel, na sucessão de Daviz Simango na liderança partidária. Responsável admite anuir à vontade do partido.

A corrida eleitoral interna no Movimento Democrático de Moçambique (MDM), a terceira maior força política moçambicana, está ao rubro. Vários militantes na província nortenha de Nampula pedem a candidatura do atual secretário-geral, José Domingos Manuel, à sucessão de Daviz Simango na liderança do MDM.

O apoio chega principalmente de alguns quadros de relevo no partido, como por exemplo Luciano Tarieque, ex-delegado político da cidade de Nampula e atual membro do secretariado-geral, André Américo, membro do Conselho Nacional, e Manuel Tocova, o antigo e polémico presidente interino da autarquia de Nampula.

Mosambik Luciano Tarieque MDM-Delegierter in der Stadt Nampula

Luciano Armando Tarieque, membro do MDM

Luciano Armando Tarieque, porta-voz dos apoiantes, explicou à DW África que o atual secretário-geral do partido tem larga experiência na gestão pública, qualidades que lhe valeram a confiança do antigo líder, Daviz Simango.

"Achamos que o José Domingos é a pessoa ideal para assumir os destinos futuros do partido, assim como está a assumir agora", disse.

Três figuras na corrida 

Existem, atualmente, três figuras partidárias que são apontadas internamente como possíveis candidatos à sucessão de Daviz Simango: José Domingos Manuel, Lutero Simango e Silvério Ronguane. Destes nomes, apenas o deputado Silvério Ronguane já manifestou publicamente a sua intenção em aderir à corrida. 

Para Luciano Tarieque, José Domingos Manuel deve avançar e apresentar a sua candidatura à presidência do partido.

"Ele não nos disse que quer concorrer, mas deve concorrer. Queira ou não, deve concorrer. Nós é que queremos que ele concorra. E pela força dos membros e pela maioria, terá de concorrer", reforçou.

Os membros do MDM em Nampula não anseiam ter Lutero Simango à frente dos destinos do partido. Trata-se do irmão mais velho do então presidente Daviz e é apontado como um dos prováveis candidatos.

"Primeiro a idade dele, segundo ele já foi presidente de um partido [o extinto Partido de Convenção Nacional-PCN]", refere Luciano Tarieque.

"De algum modo ele não deve substituir o seu irmão, uma vez que o partido passará a ter um outro nome... Aliás estaremos aqui a legitimar os discursos do Venâncio Mondlane, Manuel de Araújo e [António] Frangoulis que apontam para um partido-família e isso nós não queremos", frisou.

Mosambik Burgermeister vomn Beira Daviz Simango (MDM)

Daviz Simango morreu em fevereiro de 2021 na África do Sul

José Domingos Manuel admite entrar na luta

José Domingos Manuel confirmou à DW África que ainda não se manifestou sobre a sua candidatura, mas poderá entrar na luta pela sucessão de Daviz Simango, em respeito à vontade dos membros.
 
"Esse [apoio] está a acontecer um pouco por todos os lados, mas a última pessoa a decidir sou eu. Mas também quem sou eu para negar a vontade da maioria, se assim for. Tenho que ponderar e poderei decidir a favor dos pensadores, porque são missões políticas e quem decide é o partido", admitiu.

Sobre a provável candidatura do irmão mais velho de Daviz Simango, o secretário-geral diz que "em nenhuma parte os nossos estatutos e/ou ordenamento excluem a candidatura por essa afinidade, portanto, não tem nada a ver; ele é membro como qualquer um", afirmou.

As candidaturas para o preenchimento do lugar deixado por Simango, falecido em fevereiro deste ano na vizinha África do Sul, vítima de doença, terminam a 30 de setembro, sendo que as eleições para a presidência do partido realizar-se-ão em dezembro próximo.

Leia mais