1. Ir para o conteúdo
  2. Ir para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Illegal geschlagenes Holz in Beira, Mosambik
Foto simbólica de madeira apreendida na BeiraFoto: DW/A.Sebastião

Moçambique recupera madeira contrabandeada para a China 

Lusa
15 de novembro de 2021

Os sete contentores recuperados são os últimos de um lote exportado ilegalmente em dezembro de 2020 pelo porto de Pemba. Ministério Público quer acelerar a venda da madeira apreendida para evitar desvalorização.

https://p.dw.com/p/430O6

As autoridades moçambicanas recuperaram os restantes sete contentores, de um total de 76, que tinham sido exportados ilegalmente para a China, anunciou esta segunda-feira (15.11) uma fonte oficial. 

"Os contentores são os mesmos e a madeira também. Essa madeira está em condições para ser usada para qualquer outro tipo de trabalho", disse Cassimo Assane, delegado da Agência de Controlo de Qualidade Ambiental de Moçambique (Aqua).  

Os sete contentores recuperados são os últimos de um lote de 76 exportados ilegalmente em dezembro de 2020, através do porto de Pemba, na província de Cabo Delgado, tendo sido constituídos nove arguidos, acusados de envolvimento no caso.

Mosambik Gebäude der Staatsanwaltschaft in Pemba.Foto: DW Mai 2021
Ministério Público quer acelerar venda da madeira apreendidaFoto: DW

Venda acelerada

Entre os arguidos estão oito moçambicanos e um cidadão chinês. O Ministério Público já avançou que vai acelerar o processo de venda da madeira, para evitar que perca o seu valor comercial, enquanto aguarda decisão do tribunal judicial da província.

"Trata-se de um material que facilmente pode se deteriorar e, por isso, é preciso dar destino a esta madeira", frisou Noélia Madeira, procuradora em Cabo Delgado.  

Vários relatórios nacionais e internacionais têm indicado que Moçambique está a ser palco de crimes ambientais, principalmente o corte ilegal de árvores, alertando para as consequências dos altos níveis de desflorestação. 

Como forma de diminuir a pressão sobre os recursos florestais, algumas medidas restritivas foram aplicadas nos últimos cinco anos para inverter o cenário.  

Em 2018, o Governo moçambicano emitiu novas regras para a exploração e exportação de madeira, para travar o abate desenfreado de espécies nativas.

Mestre Baloi, o contador de histórias com pedaços de madeira

Saltar a secção Conteúdo relacionado