1. Ir para o conteúdo
  2. Ir para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Mosambik Pemba | Filipe Nyusi
Foto: DW

Filipe Nyusi destaca "progressos" no desarmamento da RENAMO

Lusa
4 de outubro de 2022

O Presidente moçambicano destacou "assinaláveis progressos" no desarmamento da guerrilha da RENAMO no dia em que o país assinala o 30.º aniversário da assinatura do acordo que pôs fim à guerra dos 16 anos.

https://p.dw.com/p/4HjY3

"Temos de assinalar os progressos no processo de desarmamento, desmobilização e reintegração dos antigos guerrilheiros da RENAMO e, até ao momento, já foram abrangidos pouco mais de quatro mil guerrilheiros do total de 5.200 registados", disse Filipe Nyusi esta terça-feira (04.10).

O chefe de Estado moçambicano falava na capital moçambicana durante as celebrações centrais do Dia da Paz e Reconciliação Nacional, que se assinala hoje em Moçambique.

Filipe Nyusi reafirmou que até dezembro estará concluído o desarmamento dos guerrilheiros da Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO), no âmbito do último acordo de paz assinado entre o Governo e aquela força política de oposição em agosto de 2019.

O Acordo de Paz e Reconciliação Nacional assinado em agosto de 2019 foi o terceiro entre o Governo da Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo) e a Renamo, tendo os três sido assinados na sequência de ciclos de violência armada entre as duas partes.

"Aqui devemos confessar que o clima em que se vive nas aldeias e nas populações com os nossos irmãos da Renamo é satisfatório e gratificante”, declarou o chefe de Estado moçambicano, reafirmando o compromisso do Governo com a paz "efetiva e genuína" no país.

30.º aniversário do acordo de paz

Moçambique celebra hoje o 30.º aniversário do acordo de paz que pôs fim à guerra dos 16 anos, opondo o exército governamental e a guerrilha da Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO).

O conflito, que deixou milhares de mortos, viria a terminar em 1992, com a assinatura do Acordo Geral de Paz, em Roma, entre o então presidente Joaquim Chissano e Afonso Dhlakama, líder histórico da Renamo, que morreu em maio de 2018.

Em 06 de agosto de 2019, foi assinado o Acordo de Paz e Reconciliação Nacional, o terceiro e que agora está a ser materializado, entre o atual Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, e o líder da Renamo, Ossufo Momade, prevendo, entre outros aspetos, a Desmilitarização, Desarmamento e Reintegração (DDR) do braço armado do principal partido de oposição.

Moçambique: 30 anos do Acordo Geral de Paz

Saltar a secção Mais sobre este tema
Saltar a secção Conteúdo relacionado