1. Ir para o conteúdo
  2. Ir para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW

Falta comida nos hospitais de Inhambane

29 de junho de 2017

Os alimentos nos hospitais de Inhambane, no sul de Moçambique, são insuficientes e os pacientes são obrigados a confecionar a própria comida. As autoridades de saúde confirmam, mas esperam dias melhores "em breve".

https://p.dw.com/p/2fbgu
Foto: DW/L. da Conceição

Vários doentes internados em hospitais da província de Inhambane, no sul de Moçambique, estão a comer refeições confecionadas pelos seus familiares, porque nas unidades sanitárias há falta de alimentos.

Ana Paula João está com a filha e a cunhada no Hospital Rural de Quissico, no distrito de Zavala, e diz que cozinha para várias pessoas: "A comida é para os doentes e, ao mesmo tempo, para mim", conta.

A situação repete-se noutros hospitais. Ao visitarmos o Hospital Rural no distrito de Massinga, encontramos Horácio João, um dos pacientes, a cozinhar arroz com feijão.

"Estou a comer com a minha mulher, porque ela também não tem comida", diz em entrevista à DW África.

Falta comida nos hospitais de Inhambane

No Hospital Rural de Chicuque, no município de Maxixe, Octávio Tinga queixa-se da alimentação pouca própria para o pai, que sofre de diabetes. Por isso, a família resolveu fazer as suas próprias refeições.

No hospital, "não é fácil preparar [refeições] só para a pessoa que tem diabetes", conta Tinga. "Estamos aqui a tentar fazer este pouco de alimentação, sem sal. A minha mãe é que prepara. Obviamente, tem de se gastar e não tem como."

Crise levou a falta de alimentos

Tânia João, diretora substituta no Hospital Rural de Chicuque, está a par da situação. A responsável reconhece que houve uma diminuição de alguns produtos alimentares nos estabelecimentos hospitalares moçambicanos, por causa da crise económica que o país atravessa.

"Em média, o gasto [mensal] era de 150 mil meticais [aproximadamente 2.180 euros], mas depois da diminuição caímos para 98 a 100 mil meticais [entre 1.420 e 1.450 euros]", adianta Tânia João. "A nível interno, houve uma diminuição das quantidades de alguns produtos para fazer face ao período de crise: Por exemplo, na quantidade de frango e de carne de vaca. Mas mantivemos a quantidade de peixe, feijão, arroz e farinha."

Mosambik Situation in Chicuque
Cozinha comum perto do hospital de ChicuqueFoto: DW/L. da Conceição

Solução em breve?

Mas, questionado pela DW África, o porta-voz da Direção Provincial de Saúde em Inhambane, Stélio Tembe, garantiu que a situação será resolvida "brevemente", porque os serviços já estão a receber algumas ajudas dos parceiros internacionais.

Tânia João, do Hospital Rural de Chicuque, também espera melhores dias: "Já estamos a ter libertação [de verbas] e ao nível da assistência médica por parte da Direção Provincial, e estamos a amortizar as aquisições [dívidas aos fornecedores de alimentos] que vínhamos fazendo."

Saltar a secção Mais sobre este tema
Saltar a secção Manchete

Manchete

Saltar a secção Mais artigos e reportagens da DW
Ir para a página principal