Moçambique: Ciclone Gombe aproxima-se de Nampula | Moçambique | DW | 10.03.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Moçambique: Ciclone Gombe aproxima-se de Nampula

Especialistas preveem que o ciclone deverá entrar em terra entre Nacala e Angoche esta noite. São esperadas chuvas torrenciais e ventos fortes "com rajadas que podem ultrapassar os 200 km/h".

Mosambik Beira nach dem Zyklon Idai

Rasto de destruição deixado pelo Ciclone Idai, que atingiu Moçambique em 2019

O ciclone Gombe vai provocar na próxima noite vento muito forte, chuva torrencial e inundações na província nortenha de Nampula, a mais povoada de Moçambique, localizada a 1.300 quilómetros a norte da capital, Maputo. 

O centro meteorológico francês da ilha de Reunião (que vigia a atividade ciclónica no sudoeste do oceano Índico) prevê "ventos muito violentos com rajadas que podem ultrapassar os 200 quilómetros por hora acompanhados de chuvas torrenciais e inundações costeiras".

O centro do ciclone deverá chegar a terra durante a próxima noite entre as localidades de Nacala e Angoche, afetando entre outros locais a ilha de Moçambique.

O centro meteorológico francês prevê que a tempestade Gombe atinja Moçambique no estado de ciclone "extremamente perigoso".

O sistema de baixas pressões atmosféricas tem estado a ganhar força com o calor da superfície do mar, à medida que se desloca para oeste, com o vento e a chuva a aumentarem de intensidade "à medida que se aproxima da costa". 

"Representa uma ameaça muito séria para a área", acrescenta.

Na quarta-feira, o Instituto Nacional de Meteorologia (INAM) também emitiu um alerta vermelho face à aproximação da tempestade, recomendando à população que tome medidas de prevenção.

O ciclone Gombe vai afetar o norte de Moçambique dois anos depois de os ciclones Idai e Kenneth terem fustigado, respetivamente, as regiões centro e norte do país naquela que foi uma das mais severas época ciclónicas de que há memória.

As intempéries de 2019 mataram 714 pessoas, incluindo 648 vítimas dos dois maiores ciclones de sempre a atingir o país.

Beira usa machimbombos como salas de aula depois de ciclones

Leia mais