Moçambicanas enfrentam mais violência e mais barreiras económicas com a pandemia | Moçambique | DW | 08.03.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Moçambicanas enfrentam mais violência e mais barreiras económicas com a pandemia

Em Inhambane, o Dia Internacional da Mulher deste ano é marcado por mais dificuldades. A pandemia de Covid-19 não somente gerou mais barreiras económicas como também intensificou a violência doméstica contra as mulheres.

Desde que eclodiu a pandemia de Covid-19 em Moçambique, as mulheres viram-se obrigadas a redobrar os esforços para sobreviver. Muitas perderam o emprego e iniciaram pequenos negócios para ter algum rendimento.

Verónica Manuel, da cidade da Maxixe, não vai comemorar o Dia Internacional da Mulher como de costume. O seu foco, neste momento, é conseguir comida para os seus filhos, porque está desempregada.

"Não há nada para eu preparar porque não tenho nada. Estamos a viver de trigo e está muito caro. Como vamos fazer com crianças? A esta altura, já teríamos comprado capulanas, mas agora esta tudo difícil. O preço da comida sobre a cada dia e não há trabalho”, explica.

Afrika Wirtschaftliche Barrieren und Gewalt prägen das Leben von Frauen in Inhambane

Casos de violência contra a mulher aumentaram durante a pandemia

Por causa da pandemia, Arlete Madina vai passar o dia sem uma grande comemoração, como se acostumou a fazer há alguns anos. Ela salienta que as restrições farão com que a data seja lembrada de forma diferente.  "Vai ser muito diferente porque devo passar o dia somente com família e amigos, talvez dois ou três”.

Ao nível da província de Inhambane, muitas mulheres têm recorrido aos passeios nas vilas e cidades para instalarem os seus negócios. Nos últimos meses, o número tende a aumentar e as autoridades locais têm vindo a retirar as vendedoras informais das ruas.

Isaura Muabsa, uma vendedeira na ponte cais na cidade de Maxixe, lamenta a atuação da polícia e o fraco movimento de clientes devido à pandemia.

"Não tem negócio. Mas quando chegam esses da polícia, corremos. Nós estamos a pedir para nos deixar vender e garantimos que fazemos a limpeza. Como haveremos de preparar este dia 8 de março, quando não temos dinheiro devido a esta situação do coronavírus?”

Aumento da violência

Além das dificuldades económicas, a Covid-19 trouxe consigo também mais casos de violência doméstica, segundo as autoridades governamentais. O confinamento imposto para travar a pandemia impede muitas mulheres de fugirem a incidentes em casa.

Afrika Wirtschaftliche Barrieren und Gewalt prägen das Leben von Frauen in Inhambane

Mais mulheres montam negócios improvisados devido à crise

"A situação que estamos a viver atualmente é difícil e exige calma. Na verdade, sinto-me mal perante isso porque não temos como ou não devemos violar as normas de prevenção”, disse uma vítima ouvida pela DW.

Este ano, o Dia Internacional da Mulher na província de Inhambane coincide com o início da vacinação contra a Covid-19, que atenderá apenas profissionais de saúde num primeiro momento.

Olga Macupulane, presidente da Associação para Desenvolvimento da Mulher em Inhambane, afirma que a sua organização tem ajudado algumas mulheres no âmbito da prevenção do coronavírus. Vários estudos transversais foram realizados e distribuídas mais de dez mil máscaras a mulheres.

"Desde junho do ano passado iniciamos um programa específico em coordenação com o governo para atender mulheres e raparigas. Cerca de 3500 famílias beneficiaram de cesta básica para permitir que as mulheres de baixa renda fiquem em casa de prevenção.”

Assistir ao vídeo 01:49

Inhambane: Idosos abandonados, sem subsídio da Covid-19

Leia mais