″Lenda″ da música africana Koffi Olomide lança novo álbum | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 20.08.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

"Lenda" da música africana Koffi Olomide lança novo álbum

"Légende" (lenda) é o título do novo álbum a lançar até ao final do ano por Koffi Olomide, um dos nomes mais conhecidos da música africana, revelou à DW o cantor congolês, que mudou para produtora gerida por um angolano.

O ícone da música da República Democrática do Congo (RDC) veio à cidade de Colónia, na Alemanha, para assinar um novo contrato com a produtora Goldmann. Sete dias depois de ter completado 65 anos, e em exclusivo à DW, Koffi Olomide fez um anúncio há muito esperado pelos fãs, um pouco por todo mundo: "Hoje foi um grande dia, estou muito emocionado. Quero anunciar aqui o meu novo álbum que será intitulado Légende."

Segundo o músico, o álbum deverá ficar pronto até ao final do ano, depois de um "grande concerto em França", marcado para 27 de novembro, na nova Arena de Paris, onde são esperados 42 mil espetadores.

O "bichinho da música" começou aos 18 anos ainda em Kinshasa, na segunda metade da década de 1970. O primeiro álbum "Ngounda" foi gravado em 1983, na Bélgica, e tornou-se um estrondoso sucesso no mercado internacional. Aos 27 anos, Koffi fundou a sua banda Quartier Latin. Desde então, já bateu vários recordes e recebeu inúmeros prémios ao longo da sua longa carreira musical.

"África tem muitos talentos"

Desde 2003, o músico tem dedicado a sua carreira para promover os novos talentos da música africana. No álbum "Quadra Kora Man", editado no mesmo ano, com 18 músicas, Koffi apenas interpretou dois temas, deixando os outros para projetar cantores como Fally Ipupa, entre outros.

Ouvir o áudio 03:51

Koffi Olomide: "África tem muitos talentos"

"Eu acredito que África tem muitos talentos. Há grandes músicos da nova geração. Há muitas jovens promessas da música ainda por apoiar", diz Olomide. "Acredito que o futuro da música africana será brilhante. Estou otimista e esperançoso porque estive com muitos talentos que estão a produzir as melhores músicas africanas. Por isso, teremos um futuro musical muito bom."

Uma das últimas aparições do "Rei da Rumba" foi ao lado do jovem músico tanzaniano Diamond. A participação de Koffi Olomide na música da estrela tanzaniana, intitulada "Waah", já alcançou mais de 81 milhões de visualizações no YouTube. "É um sucesso em todo o mundo. Estou sem palavras", confessa o artista congolês, que criou a fundação Irmão da Terra, que ajuda as populações mais carenciadas em África.

Nova produtora gerida por angolano

A carreira do cantor congolês é agora gerida pela produtora Goldmann, fundada há 15 anos. "É o nosso primeiro contrato com um artista africano desta dimensão. A empresa produz muitos artistas na Europa, muitos deles são discos de ouro e platina. Agora estamos a olhar mais para América do Sul e para África e Koffi é um dos grandes artistas africanos. Por isso, é uma grande honra para nós termos assinado esse contrato", diz o promotor angolano de eventos Mário Kiesse da Costa, gerente da Goldmann.

Mário da Costa

Promotor angolano Mário Kiesse da Costa

A empresa de renome gere, por exemplo, a carreira de Mero, um músico que bateu todos os recordes na Alemanha nos últimos anos. Nyomi, Xatar e Ssio são outros artistas geridos pela produtora. Agora, a Goldmann quer apostar também no mercado lusófono e espera fechar em breve um contrato com o músico angolano CEF Tanzy, entre vários outros dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP). 

Mário Kiesse da Costa, que trabalha na área de eventos há 20 anos, reconhece que a música tem contribuído para a integração e nota que a sociedade alemã tem consumido muito mais os ritmos africanos ultimamente.

"Só se ouve as músicas de Burna Boy, Wiz Kid, Davido e muitos outros africanos. Agora não se pode pensar em festas sem as suas músicas. Realmente está a contribuir muito para abrir certas mentes aqui na Alemanha", conclui.

Assistir ao vídeo 05:05

Missy Bity: A nova revelação da música guineense que quer expandir o "rap kriol"

Leia mais