″João Lourenço ajuda a estabilizar os Grandes Lagos″, diz ex-embaixador dos EUA | Angola | DW | 28.06.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

"João Lourenço ajuda a estabilizar os Grandes Lagos", diz ex-embaixador dos EUA

Diplomata americano diz que região dos Grandes Lagos está "mais estável" e "pacífica" também devido ao envolvimento do Presidente de Angola. Peter Pham destacou mediação de João Lourenço no Uganda, no Ruanda e na RCA. 

O ex-enviado especial dos Estados Unidos para os Grandes Lagos J. Peter Pham considerou que a região está "mais estável" e "pacífica", em parte graças ao envolvimento e influência do Presidente João Lourenço

Especialista em temas africanos e membro do centro de estudos Atlantic Council, o embaixador foi enviado especial dos EUA para a região dos Grandes Lagos durante dois anos, entre 2018 e 2020.

Em entrevista à agência Lusa, considerou que "a região tornou-se muito mais estável, muito mais pacífica, com um clima muito melhor para investimento do que era há três anos". A transição democrática pacífica na República Democrática do Congo, o fim do conflito aberto entre Uganda e Ruanda e a melhoria da situação no Burundi são alguns dos casos referidos, além de Angola.

"Angola tinha um grande potencial como um país que não tinha conflito e tinha recursos, mas estava um pouco desvinculada da região", lembrou. Desde que João Lourenço se tornou Presidente, acrescentou, o país está mais envolvido nos problemas regionais, lembrando a mediação para apaziguar as tensões entre Uganda e Ruanda e, mais recentemente, procurando uma solução para a República Centro-Africana (RCA).

DR Kongo Besuch des angolanischen Präsidenten João Lourenço und des ruandischen Präsidenten Paul Kagamé in Kinshasa

João Lourenço (dir.) com homólogo congolês Felix Tshisekedi

Pedido de João Lourenço

O Presidente da República de Angola pediu nas Nações Unidas, na quarta-feira, mais apoio internacional à paz e segurança na RCA, neutralização das forças dissidentes no país, respeito do cessar-fogo e suspensão do embargo de armas.

A intervenção no Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova Iorque, sobre a RCA, foi feita na qualidade de presidente da Conferência Internacional para a Região dos Grandes Lagos (CIRGL).

"Nos últimos anos, desde que João Lourenço [se tornou Presidente de Angola], tem sido uma influência muito boa", disse Pham, que foi recentemente nomeado administrador não executivo do grupo de telecomunicações Africell, que opera em vários países africanos, incluindo Angola.

 

Assistir ao vídeo 04:30

Revisão da Constituição angolana corresponde às expetativas?

Leia mais